Delegados José Soares Bastos e o Regional, Luis Eduardo Sandim Benites, concederam coletiva onde informaram sobre o pedido de prisão preventiva dos policiais militares e as evidências que apontam homicídio doloso do jovem Gabriel Cavalheiro (foto Marcelo Ribeiro/site Caderno7)

A Polícia Civil de São Gabriel concedeu uma coletiva à imprensa nesta segunda-feira (22) para anunciar que pediu a prisão preventiva dos três policiais investigados pela morte do jovem Gabriel Marques Cavalheiro, 18 anos, encontrado sem vida em um açude no Lavapé, depois de uma semana do seu desaparecimento após abordagem policial no Bairro Independência. O pedido será feito até o final do dia à Justiça de São Gabriel. Além disso, há elementos que apontam que o jovem teria sido vítima de homicídio doloso (quando há intenção de matar).

Segundo o Delegado Regional Luis Eduardo Sandim Benites e o Delegado da Polícia Civil de São Gabriel, José Soares Bastos, o pedido foi fundamentado por vários elementos que sustentam que Gabriel foi agredido no local da abordagem e que ao ser levado para viatura, já estava cambaleante possivelmente devido à violência empregada pelos PMs, que estão presos preventivamente em Porto Alegre. 

Conforme Benites, vários elementos como depoimentos e outras informações indicaram a ocorrência de homicídio doloso contra o jovem. O pedido de prisão estava por ser encaminhado à Justiça de São Gabriel a qualquer momento, até o fim da tarde. "Temos um conjunto de indícios que levam a polícia a concluir por homicídio doloso. Ainda teremos complemento a partir da análise de perícias e do resultado da necropsia", afirmou o Delegado Regional. Se concedida, a prisão preventiva permitirá que as investigações sejam concluídas em até 10 dias. Se negado, não há prazo.

O delegado Bastos, titular da investigação, citou ter elementos para enquadrar os PMs por homicídio duplamente qualificado. Os PMs estão presos desde a noite de sexta (19), por determinação da Justiça Militar. Eles sustentaram no depoimento prestado à Brigada, de que o jovem foi levado até o Lavapé a pedido dele. Só que isso não está registrado na ocorrência da abordagem, que inclusive, segundo a Justiça Militar, há evidências de adulteração. Eles disseram que haviam liberado o jovem no próprio local da ocorrência, na Rua 7 de Setembro, no Bairro Independência. 

Confira a transmissão da entrevista coletiva concedida nesta tarde:


Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 22/08/2022 17h25 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Post a Comment

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.