Evento festivo marcou comemoração dos 149 anos da Loja Maçônica Rocha Negra nº1, na noite de sexta, no Espaço Garden (fotos Marcelo Ribeiro/portal Caderno7)

Na noite de sexta-feira (1º) a Loja Maçônica Rocha Negra Nº 1 realizou um evento festivo para comemorar os 149 anos de fundação e abriu oficialmente as comemorações do sesquicentenário (150 anos), que serão lembrados em 2023. O evento teve várias homenagens a demais irmãos maçons, no Espaço Garden.

Presidida pelo Venerável Mestre Luis Guerino Teixeira, a Rocha Negra Nº1 foi fundada em 28 de junho de 1873 por onze cidadãos liderados por Jonathas Abbott, que foi seu primeiro Venerável e participou de vários momentos importantes da história da cidade. O evento foi aberto com a apresentação do Coral Municipal da Educação, regido pelo Maestro Gilnei Oliveira.

Evento foi aberto com apresentação do Coral da Educação Municipal de São Gabriel


Comemorações abriram também atividades do Sesquicentenário da Loja, previsto para 2023

Além da apresentação oficial da marca do sesquicentenário, a Rocha Negra realizou a entrega de mimos para autoridades maçônicas dos municípios de Santana do Livramento, São Gabriel, Santa Margarida, Rosário do Sul e da Grande Loja do Estado do Rio Grande do Sul, além dos irmãos com mais de 30 e 40 anos de trabalho e o próprio Coral, pela apresentação.

A noite foi encerrada com uma palestra de Rui Silvio Stragliotto, ex-Grão Mestre da Grande Loja do Estado do Rio Grande do Sul, com o tema "Família e Maçonaria" e ele também foi homenageado com um diploma de Membro Honorário da Rocha Negra. A noite ainda teve um jantar com música ao vivo e confraternizações. O Venerável Mestre Luis Guerino e o presidente da Comissão de Planejamento do Sesquicentenário, Rony Marcon, agradeceram a presença de todos os presentes. 

BREVE HISTÓRICO
Fundada em 29 de junho de 1873 por onze cidadãos liderados pelo Dr. Jonathas Abbott, que era maçom há 25 anos de grau 18 e foi seu primeiro Venerável Mestre, a instituição participou de vários momentos da comunidade gabrielense. Entre eles, a organização de piquetes de voluntários para defender a cidade na Revolução de 1893, quando a cidade foi abandonada por forças militares e autoridades civis, só permanecendo o Juiz de Direito, Dr. Tito Prates da Silva. A ação defendeu São Gabriel de prováveis ataques de defensores e vândalos.

Empreendeu também o fim da escravidão, em 28 de setembro de 1884, quando mais de 900 cartas de alforria foram expedidas, quatro anos antes da Lei Áurea, que aboliu a escravidão no País. Participou também, dentro de relação estreita com a Igreja Católica, de campanhas da construção da Igreja Matriz do Arcanjo, antes mesmo da construção do prédio próprio da Loja. A Rocha Negra doou os "Troncos de Solidariedade" além de apoiar na arrecadação de fundos para auxiliar nas obras. A Rocha Negra foi a loja-mãe do primeiro presidente do País, Deodoro da Fonseca.

Foi uma das signatárias da fundação da Grande Loja do Rio Grande do Sul, em 1928, na cidade de Bagé. Na área social, a Rocha Negra participou de várias ações, entre elas, a inauguração do Asilo São João, em 1941, onde o primeiro presidente foi o maçom Sampaio Marques Luz, e o asilo foi construído em local doado pelo colega Juvenal dos Santos. Participou de outros momentos da história de São Gabriel, realizando ações beneméritas e que colaboraram para o progresso da comunidade. No ano passado, ela homenageou a todos os profissionais da saúde e a Santa Casa no combate à covid-19 em São Gabriel, bem como o então prefeito Rossano Gonçalves. 

Venerável Mestre da Rocha Negra, Luis Guerino Teixeira, destacou papel da entidade na comunidade gabrielense durante a história

Teve em seus quadros personalidades ilustres ao longo da histórica, como o Conde de Porto Alegre (Marechal Manoel Marques de Souza), o Barão de Candiota (Francisco Chagas), Jonathas Abbott, o médico e presidente (governador) do Rio Grande do Sul Fernando Abbott, e Deodoro da Fonseca, na época coronel, então comandante do 1º Regimento de Artilharia a Cavalo de São Gabriel (Regimento “Boi de Botas”) que viria a ser o proclamador e primeiro presidente da República.

Em setembro de 1884, a Rocha Negra alforriou 900 escravos que existiam no município, quatro anos antes da abolição nacional da escravatura, em 13 de maio de 1888 - por tradição, os primeiros associados tinham que apresentar cartas de alforria de escravos para serem aceitos na loja. Seu atual Venerável Mestre é Luís Guerino Teixeira.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 02/07/2022 13h06
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Post a Comment

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.