Se a pandemia te atrapalhou, o REFIS te regulariza! Prefeitura de São Gabriel

Assine New Life Fibra - fibra óptica de qualidade para você!

Bariani Estética Automotiva - em novo endereço

www.peruzzo.com.br - Acesse, compre e receba em casa!

Painéis Solares A Elétrica - Energia Solar em até 120x

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Faça seu cartão Cauzzo e tenha os melhores profissionais para sua saúde

Sicredi-Faz-Mais-setembro.gif

Use Odontologia em São Gabriel - saúde bucal para você e sua família

Anúncio Dra Ana Paula Ross

07 abril 2020

Unipampa divulga pesquisa com projeções da COVID-19 nos municípios que atua

Estudo mostra a necessidade de distanciamento social e o que pode acontecer caso não hajam medidas interventivas como as que estão ocorrendo; São Gabriel pode ter até 40 óbitos de coronavírus (foto divulgação)
A Universidade Federal do Pampa (Unipampa) divulgou uma pesquisa uma pesquisa com as projeções de internações e número de óbitos provocados pela Covid-19 em diferentes cenários nos dez municípios nos quais possui campus: Alegrete, Bagé, Caçapava do Sul, Dom Pedrito, Itaqui, Jaguarão, Santana do Livramento, São Borja, São Gabriel e Uruguaiana. O estudo vem para auxiliar no combate à doença e fornecer à sociedade informações sérias baseadas em pesquisas e fontes confiáveis, chamando a atenção no que pode ocorrer se as medidas corretas não forem tomadas. Sem intervenções como a quarentena, São Gabriel pode até ter cerca de 40 óbitos no pior cenário.



O estudo desenvolvido pelo professor do Programa de Pós-Graduação em Políticas Públicas da Unipampa – Campus São Borja, Thiago Sampaio, representa uma estimativa para o vírus SARS-CoV-2 (novo coronavírus) considerando as estruturas municipais, as ações de vigilância e isolamento. A pesquisa mostra o cenário provável, bem como, o melhor e o pior cenário, considerando a existência de transmissão comunitária e caso não haja intervenções do poder público como, por exemplo, as medidas de distanciamento social.

“Partimos do pressuposto que a onda epidêmica durará em torno de doze semanas, definimos a proporção de pessoas que irão ser infectadas. Diferentemente do que é sugerido por alguns, nem todos serão infectados nesse primeiro ciclo. A nossa projeção varia de 15% a 25% da população sendo acometida pela Covid-19 desde o seu estabelecimento no município até o efetivo controle”, afirma o pesquisador. O estudo foi realizado em base com três pressupostos: não haver intervenções do poder público (como a quarentena que estamos enfentando), a onda epidêmica durar em torno de 12 semanas e uma possibilidade de 15% a 25% da população ser acometida pela COVID-19.

Sobre a elaboração da pesquisa, Sampaio afirma que sentiu a necessidade de suprir os gestores públicos municipais com dados próximos da realidade. “Os gestores públicos enfrentam dificuldades quanto aos recursos financeiros e às informações que possam balizar as suas ações. Em meio a esse caos, eles estão trabalhando no escuro”, enfatiza o pesquisador.

Os dados utilizados nas projeções em cada município são públicos e fornecidos pelo DataSUS. A pesquisa considera a qualidade de leitos, UTIs e respiradores em cada cidade. Em alguns casos, consideram-se os municípios do entorno, pois algumas cidades funcionam como referência para outras menores. Além disso, há fatores que podem contribuir para a piora do quadro apresentado como, por exemplo, a ocupação de leitos por pacientes com outras enfermidades, limitação de capital humano e UTIs disponíveis ao município.

Vamos trazer o quadro de projeções para São Gabriel:

Gráficos acima mostram as projeções em diferentes cenários em São Gabriel, com ausência de intervenções e sem prevenção (foto divulgação/Unipampa)

A necessidade do distanciamento social
De acordo com a pesquisa de Sampaio, o sistema público de saúde não terá como suportar a demanda, caso as medidas de prevenção não sejam tomadas. “As medidas adotadas visam reduzir o número de casos para que não haja o colapso. Na ausência dessas medidas, podemos assistir, no Brasil, às cenas que acontecem, por exemplo, no Equador”, ressalta o pesquisador.

Sampaio também afirma que a preocupação com a proximidade do inverno é maior no Rio Grande do Sul. Existe a possibilidade de enfrentamento da pandemia com temperaturas desfavoráveis e a ausência de suprimentos básicos, atualmente, demandados por grandes centros. “É importante a compreensão da população e o planejamento dos gestores”, enfatiza o pesquisador. Além disso, Sampaio reafirma a necessidade de seguir as determinações dos órgãos competentes, principalmente, quanto à higiene, utilização de máscaras e o distanciamento social.

O estudo completo está no link abaixo:




Reportagem: Francieli Couto Jorge/Especial C7 
Data: 07/04/2020 13h10
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.