Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Casos de "mão-pé-boca" chegam a cem em São Gabriel, mas não devem avançar

05-12 Festa Final de Ano Lú Couros e Rafaela Weber - show com Sandro e Cícero

Ofertaço Grazziotin - de 16 a 20 de outubro

O Poder da Clareza - 17 de outubro em São Gabriel

Inauguração da filial Porto Lanches na quinta, 10 de outubro

12 de outubro - Dia de Nossa Senhora Aparecida - lembrança do Colégio Perpétuo Socorro

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça inglês e espanhol no Fisk - matrículas abertas

Garupa São Gabriel - Tá aqui do lado

Renegocie suas dívidas judiciais com a Prefeitura com o REFIS Judicial

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Máquina de cartões Sicredi - a máquina que vem com um parceiro de negócios

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Studio H de Mana, venha conhecer

Curso para o Concurso de Vila Nova do Sul é no Aurora Concursos

Casos de "mão-pé-boca" chegam a cem em São Gabriel, mas não devem avançar

Casos do vírus mão, pé e boca deverão estacionar em cem em São Gabriel (foto ilustrativa)
Preocupação entre os pais, os casos do vírus "mão-pé-boca" estão controlados em São Gabriel e o que podia ser feito para conter o avanço do vírus foi feito, informou o Secretário da Saúde, Ricardo Coirolo. Os casos chegaram a cem, mas agora cabe aos pais e responsáveis pelas crianças redobrar a higiene e que isso pode ir até o começo do próximo mês.


Coirolo salientou que as medidas mais fortes que foram a higienização das escolas, foram feitas no último feriado, com o fechamento por cinco dias. "Tivemos os casos mais constantes nas Escolas Vó Edy e Nossa Senhora Menina, e com orientação da Vigilância Epidemiológica, por isso orientamos a Secretaria de Educação que fechasse as escolas infantis para limpeza e higienização, o que pode controlar o avanço do vírus. Só que como esse vírus fica incubado, os casos ainda estão surgindo, o que deve ocorrer até junho", explicou. Ainda houveram os casos além de alunos, dois monitores adolescentes, uma professora e dois adultos que tiveram contato e contraíram o vírus.

Agora, o foco é orientação e higienização permanente, para conter o surgimento de novos casos. "É uma doença limitada, que não tem um tratamento específico e também reforçamos a orientação com as equipes de enfermagem que deram palestras aos pais, professores e monitores sobre como se cuidar. Não há muito o que fazer, agora é orientação e higienização, principalmente lavar bem as mãos", finaliza.


A cidade teve maiores picos de casos entre abril e maio, onde o foco de maior número de ocorrências foi nas Escolas Infantis Vó Edy e Nossa Senhora Menina. Os surtos provocam preocupação, mas enfermidade desaparece espontaneamente após cerca de dez dias e só tem uma coisa a fazer: higienização, principalmente lavar bem as mãos.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 28/05/2019 20h05 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: