Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: 25 anos sem Ayrton Senna

Prestigie o Jantar De Mãos Dadas, da Despertar e Voluntárias do Lar São João

Vem aí a Festa Junina da Pró-Down em São Gabriel. Participe!

	
Vem aí a semana do aniversário da Grazziotin. Confira as promoções

Inscreva-se para o Vestibular de Inverno da Urcamp - aproveite as oportunidades

Penha de Troca da Patronagem - CTG Plácido de Castro - 25 de maio

Prestigie a reinauguração da Cremolatto em novo endereço no Calçadão de São Gabriel

More com conforto no Hotel Obino de São Gabriel. Saiba mais!

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça sua Pós-Graduação na Unopar

Jogue Limpo com a sua Cidade - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Sicredi Pampa Gaúcho - Juntos geramos desenvolvimento para todos

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Participe das aulas de musicalização com as Tolerantes

Colégio Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

25 anos sem Ayrton Senna

Há 25 anos, Ayrton Senna perdia a vida num final de semana trágico no GP de San Marino, em Ímola (foto divulgação)
Neste 1º de maio, completam-se 25 anos da morte de um dos maiores esportistas dos tempos modernos. Em um final de semana repleto de acidentes trágicos, um deles acabou levando o piloto Ayrton Senna da Silva, que estava na Williams naquele ano de 1994. Até hoje, o acidente na curva Tamburello, no Circuito Enzo e Dino Ferrari, em Ímola, Bolonha, ainda marca.



O final de semana foi pesado. Na sexta-feira, 29 de abril, Rubens Barrichello, que estava estreando na Jordan naquele ano, decolou em uma curva antes da reta dos boxes e bateu no guard-rail, escapando com uma fratura em um dos braços. O sábado traria o primeiro incidente trágico, com a morte do austríaco Roland Ratzenberger, que bateu com sua Simtek-Ford na curva Tosa, a mais de 300 km/h e teve morte instantânea. O carro perdeu o controle por conta da perda da asa traseira.

Para completar o final de semana negro da F1, na corrida, um acidente entre Pedro Lamy (Lotus) e JJ Lehto (Benetton) adiou a largada, ocasionando a entrada do safety car pela primeira vez. Na relargada, na sexta volta, Senna perde o controle da Williams e bate na Tamburello a mais de 200 por hora. A corrida é interrompida e Senna, que tinha a expectativa de buscar o tetracampeonato na F1, fica gravemente ferido. A agonia do piloto foi mostrada ao vivo para todo o mundo.


A corrida foi reiniciada, mas não havia mais graça continuar, enquanto o pior estava por vir. Às 14h35, hora de Brasília, a morte de Senna foi confirmada devido à gravidade dos ferimentos causados pelo choque e desaceleração abrupta. Os eventos trágicos de Ímola causaram mudanças no automobilismo ao longo dos anos, priorizando a segurança e tecnologia na Fórmula 1 e demais categorias.

E se ele não tivesse morrido? Sabe-se lá o que ele poderia ter sido. Poderia ter ganho mais títulos, encerrar a carreira na Ferrari como ele sonhava, se tornar dono de equipe e um empresário bem-sucedido em sua aposentadoria, um líder no país. O Brasil perdia uma de suas principais motivações e alegrias aos domingos, tanto é que nunca mais surgiu outro piloto no seu nível.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 30/04/2019 20h19
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: