canal conecta

Prestigie a 1ª Semana do Livro da Escola Sueni

Prestigie o Jantar-baile dos 80 anos da Escola Celestino Cavalheiro. Clique AQUI para saber mais!

Vem aí a Penha do Churrasco no CTG Sentinela do Forte

Confira as ofertas da próxima semana na BCD São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Oficina de Costura

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Coletivo Guapas fala sobre feminicídio e feminismo para alunos do Ensino Médio

Integrantes do Coletivo falaram sobre feminicídio e feminismo para alunos do Ensino Médio estadual na manhã desta quarta-feira
Trazendo um tema que é necessário seu debate na comunidade diante dos últimos casos ocorridos e dentro do Projeto EDUCON, as integrantes do Coletivo Feminista Guapas realizaram na manhã desta quarta-feira (21) um debate sobre feminicídio e feminismo na Escola Estadual Fernando Abbott, para alunos da escola e também de outras escolas, mostrando a importância de se saber deste problema que afeta os direitos da mulher e a importância da equidade de gênero.



Bom público acompanhou o debate sobre temas que estão em evidência por conta dos casos na comunidade e que precisam ser debatidos

Temas fazem parte do projeto Educon, que trará mais questões para serem debatidas nas escolas
O projeto pretende levar diversos temas a serem debatidos nas escolas. As acadêmicas da Universidade Federal do Pampa (Unipampa) que fazem parte do Coletivo, que já vem atuando na comunidade há quase dois anos em defesa dos direitos da mulher e do feminismo, Camila Ernandes, Mariane Gonçalves e Maria Luiza Garcez, demonstraram os dados alarmantes do feminicídio no Brasil, onde a cada 2 minutos, uma mulher é espancada; a cada 11 minutos, estuprada; e a cada 90 minutos, um feminicídio ocorre no País.

"No ano passado, mais de 40 mil mulheres foram mortas por feminicídio, e em 90% dos casos, foi alguém de casa, um esposo, ex-companheiro, alguém que não aceitava o fim da relação, que ainda vê a mulher como sua posse", explicou Camila. Elas também mostraram a importância de verificar sinais e ajudar quem é vítima de violência. "Esse conceito de que 'em briga de marido e mulher ninguém se mete', não existe, é preciso ajudar quem sofre esta violência, denunciar e amparar quem passa por este trauma", afirmaram as integrantes do Coletivo, que vem buscando conscientizar a comunidade a denunciar a violência contra as mulheres.

Também foi falado sobre a importância do feminismo para o respeito e equidade de gêneros. "O feminismo luta por direitos e condições iguais para mulheres, que são desvalorizadas, seja no mercado de trabalho, valorização e respeito aos seus direitos e à vida", explicaram. Um bom público adolescente e professores acompanharam a palestra, que foi de grande valia em tempos difíceis que vivenciamos no respeito ao próximo. Outros temas contemporâneos serão levados às escolas dentro do projeto de extensão. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 21/03/2018 16h12
Contato: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: