Unopar Graduação Digital - Você digital até na hora de estudar

26-05 - Penha de Aniversário Querência Xucra - Baile com Herança Serrana

Vem aí a Penha do Churrasco no CTG Sentinela do Forte

16-06 - Top7 - O maior assalto da história em Rosário do Sul, no Clube dos Sargentos

Confira as ofertas da próxima semana na BCD São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Oficina de Costura

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Opinião do leitor: 90 anos da Farsul

Tarso Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Noventa anos de Associativismo Rural no Estado: Um debate rumo ao futuro
O mês de maio coincide com uma celebração histórica para a formação da própria identidade cultural, social e econômica riograndense. No dia 24 de maio, comemoram-se 90 anos da fundação da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul, a mais antiga federação de produtores do Brasil, e com toda justiça, uma das mais fortes, por representar a força de centenas de sindicatos e associações rurais gaúchas, fruto do dinamismo e da vitalidade de um agronegócio que orgulha o Brasil e o mundo.



Fruto das idéias empreendedoras e dinâmicas de um gabrielense que, décadas antes, semeou e criou associações rurais nos principais municípios do Estado e do pais – o embaixador e pensador Joaquim Francisco de Assis Brasil – a Farsul nasceu, de fato no 2.º Congresso de Criadores do Rio Grande do Sul, no Teatro São Pedro, em encontro coordenado pelo então presidente do Estado, Borges de Medeiros. Trinta associações rurais então existentes – entre elas a de São Gabriel – se tornaram fundadoras da Federação.  A unidade de esforços dos produtores rurais, ao longo de nove décadas, tem sido fundamental nos momentos de crise e adversidade, que ao longo desta história, não foram poucos.

Mas a Farsul comemora seu Jubileu de Álamo, em um dos momentos mais difíceis para o associativismo rural na história do Brasil. O Congresso Nacional, no afã de sufocar a drenagem de recursos das centrais sindicais de trabalhadores para objetivos de natureza política e partidária, deliberou pela extinção do imposto sindical. Em vez de incrementar a fiscalização para impedir o uso irregular do recurso, foi-se embora a criança com a água do banho. As instituições patronais do meio rural, que passarão agora a ter de restringir muitos serviços, num país com consciência associativa ainda muito escassa.

Seria o fim? De forma alguma. É possível que o meio sindical patronal passe por mudanças profundas, mas enquanto houver lideranças rurais organizadas, continuarão ecoando as firmes sentenças de Borges de Medeiros, ditas há noventa anos: “Criadores, associai-vos! Individualmente e isolados, continuareis fracos e impotentes. Mas organizados e unidos pela solidariedade e cooperação, sereis uma força invencível”.
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: