Desfrute de um espetinho gostoso na Mas Bah Tchê Churrasquinho Gourmet em São Gabriel!

Táxi Cristiano 24h - Sua opção de transporte pessoal em São Gabriel

Conforto que cabe no bolso - Íbis Budget Porto Alegre

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Sua formação não pode esperar - Ingresse na Urcamp!

Cotribá - Cooperativismo para a produtividade em São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Vem para a Unopar em São Gabriel!

Danilo Pires Assistência Técnica agora é Good Place, com o melhor em Apple

Curso Sargento Anderson - campeão de aprovações em São Gabriel e região

anúncio prefeitura sg dengue

Super Engenho São Gabriel - Mais qualidade para sua família

Foco no Futuro com a Urcamp - inscrições para o vestibular de verão abertas!

São Gabriel Saneamento - o melhor está por vir, acredite

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Urbano Alimentos - colaborando para o crescimento de São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Conheça todos os benefícios do Seguro de Vida Sicredi Essência!

Drª Sandra Regina Marçolla Weber - na VidaMed

Gráfica F1 - Comunicação Visual e Gráfica Offset com qualidade e bom preço!

25 abril 2013

Ideias de Moda com a Up-D

Kelly Pinheiro e Caroline Zanini
Colunistas do blog

Quanto pesa o preconceito?

Muitas bandeiras para defender e pouca crença para sustentar

Nesta semana, a França se despiu de mais um preconceito ao aprovar o casamento entre pessoas do mesmo sexo na Assembleia Nacional. O país se dividiu em dois, em três, em quatro; cada pessoa tinha uma opinião e uma bandeira para levantar. E no meio de tanta manifestação, uns julgaram os outros e esqueceram os próprios preconceitos que tinham e sofriam. O preconceito não discrimina. O preconceito é democrático. O preconceito sempre existirá enquanto não houver compreensão de que ninguém é igual ao outro.



E a moda – infelizmente – é a rainha da democratização do preconceito. Não pela sua essência, mas pelo uso indevido das suas propriedades. A própria moda sofre. É discriminada pelo culto ao efêmero e ao belo, pela sua natureza fugaz. Mas o modus quem exerce não é ela, mas quem se utiliza dela como ferramenta discriminatória. O preconceito esta nos olhos de quem julga.



Uma das vertentes mais discriminatórias na moda é o peso. A beleza só existe na roupa. O corpo é cabide da arte, expositor do tecido. O corpo voluptuoso destoa dos padrões. A carne realoca o foco para o indivíduo e afasta a matéria do campo visual e interpretativo. O corpo vende sonhos, roupas, produtos. A bandeira contra o preconceito da balança está levemente subindo o mastro.

Modelos plus size enchem as capas de revista. Mais por firmação da democratização dos corpos, do que realmente por uma crença na beleza diferente. A onda das manequins maiores é pontual e quase politicamente correta – aparece no meio da festa e sai de fininho – à francesa. Dessa vez, uma França menos democrática, que ainda escraviza corpos em pró do mercado e do padrão estabelecido.




0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.