XII Baile do Chopp - Santa Margarida do Sul - CLIQUE AQUI

Agora em São Gabriel, Monson! Acesse nosso site e confira as ofertas

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Vestibular Urcamp - mais de 20 cursos para seu conhecimento

Cotribá - Cooperativismo para a produtividade em São Gabriel e região

Verão Peruzzo - Baixe o app Compre Peruzzo e comece a fazer suas compras online!

Panvel Farmácias - Compre e receba em casa

Danilo Pires - Assistência Técnica em novo endereço!

Curso Sargento Anderson - campeão de aprovações em São Gabriel e região

IPTU 2023 - Prefeitura de São Gabriel

São Gabriel Saneamento - o melhor está por vir, acredite

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Urbano Alimentos - colaborando para o crescimento de São Gabriel e região

Vestibular Urcamp - mais de 20 cursos para seu conhecimento

Verão Peruzzo - Baixe o app Compre Peruzzo e comece a fazer suas compras online!

Inscrições abertas para o Fundo Social 2023 Sicredi Essência

Drª Ana Paula Ross Cirurgiã-dentista - você pode confiar!

Drª Sandra Regina Marçolla Weber - na VidaMed

Gráfica F1 - Comunicação Visual e Gráfica Offset com qualidade e bom preço!

Mototáxi Confiança - Já pediu sua tele hoje? Nos chama!

Susana Gomes Terapeuta Corporal e Massoterapia - em novo endereço

Use Odontologia São Gabriel - Saúde bucal para você e sua família

28 dezembro 2022

Há 30 anos, assassinato da atriz Daniella Perez chocava o Brasil

Há 30 anos, atriz Daniella Perez era assassinada pelo colega de elenco, Guilherme de Pádua e sua mulher na época, Paula Thomaz, em um crime que chocou o Brasil (foto divulgação)

Há 30 anos, em 28 de dezembro de 1992, um crime chocava o Brasil e fez as leis criminais mudarem por conta de sua repercussão. A atriz Daniella Perez, que tinha 22 anos e estava no auge do sucesso com a novela "De Corpo e Alma", escrita por sua mãe Gloria Perez, foi brutalmente assassinada pelo colega de elenco, Guilherme de Pádua e sua mulher na época, Paula Thomaz. O crime entrou para a história como um dos mais graves do País.

Daniella, que vivia a bailarina Yasmin na novela e era um personagem de destaque, foi assassinada por Guilherme de Pádua - que viria a morrer de infarto em novembro deste ano - que junto com sua mulher Paula Thomaz, emboscou a atriz e a matou com dezoito punhaladas após saída de gravações da novela na época. Pádua vivia o mecânico Bira, que era interesse amoroso no folhetim; a motivação do crime teria sido a frustração por investidas malsucedidas que dava na atriz para ganhar mais destaque na novela. 

Ele acreditou que estaria sendo "prejudicado" por Daniella e Gloria. A partir disso, somado ao ciúme doentio que sua mulher tinha pela atriz por conta das cenas juntos, tramaram o macabro crime que anos depois, seria abordado na minissérie "Pacto Brutal - O assassinato de Daniella Perez", produzida e disponível no serviço HBO Max. 

Após o final das gravações daquele dia, eles a seguiram de carro e a raptaram após agredir e desacordá-la em um posto de gasolina, levando-a para uma rua deserta na Barra da Tijuca e cometendo o crime, apunhalando-a no peito e causando ferimentos irreversíveis. Um advogado que vinha passando nas proximidades achou estranha a movimentação e acionou a Polícia.

O autor do crime demonstrou surpresa inicialmente e com a mulher chegaram a consolar a mãe e o marido da atriz, mas acabou confessando o assassinato após contradições detectadas pela Polícia. Daniella estava praticamente em começo de carreira, após sucesso em várias produções da TV Globo e era casada com Raul Gazolla, que conheceu na TV Manchete. 

Por conta do crime, a autora se afastou da trama, que seguiu sendo escrita por Gilberto Braga e Leonor Bassères e ao retornar, ela inseriu os temas de morosidade da justiça e inadequação do Código Penal Brasileiro. Uma viagem de estudos aos Estados Unidos foi a justificativa para a despedida da atriz, que foi homenageada no último capítulo. Já o personagem do assassino deixou de existir. A novela jamais foi reprisada e tampouco disponibilizada no catálogo do Globoplay.

O crime fez com que, após mobilização da autora, o homicídio qualificado (praticado por motivo torpe ou fútil, ou cometido com crueldade) passou a ser incluído (através da lei 8.930/1994) na Lei dos Crimes Hediondos, que não permite pagamento de fianças e impõe que seja cumprido um tempo maior da pena para a progressão do regime fechado ao semiaberto. 

O casal foi condenado a mais de 19 anos de prisão cada um e seriam libertados em 1999, com sete anos de pena e progressão por bom comportamento. Ela vive reclusa e mudou seu nome e Guilherme virou pastor evangélico da Igreja Batista da Lagoinha. Em 6 de novembro, Guilherme de Pádua morreu aos 53 anos de infarto em casa, em Belo Horizonte. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 28/12/2022 09h31 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.