Carreata realizada na noite de sábado homenageou São Jorge e Ogum em São Gabriel (fotos Marcelo Ribeiro/portal Caderno7)

A noite de sábado, 23 de abril, marcou a data para as homenagens a São Jorge, o Santo Guerreiro, ou Ogum, o Orixá Guerreiro na Umbanda. Em São Gabriel, o Centro de Umbanda Cabana do Pai Xangô e Oxum e Ilê Asé de Sangó e Osalá realizou a sua tradicional festividade que faz parte do calendário do município, com uma carreata. 

Imagens do santo guerreiro ficaram à disposição durante parte do sábado, para quem quisesse fazer saudação, pedidos e doações aos mais necessitados

Devido à pandemia, carreata foi realizada pelo segundo ano pelas ruas da cidade

Passagem de São Jorge era anunciada com o toque de rei, dado por Vando Mello (Vandinho)

A atividade foi realizada neste formato mais uma vez porque os organizadores entenderam que ainda não era o momento de retomar a procissão a pé, o que deve ocorrer em 2023. Durante o dia, os fiéis puderam visitar São Jorge e deixar doações de alimentos não-perecíveis, que serão destinadas à entidades assistenciais.

A carreata percorreu o mesmo trajeto feito pela procissão, passando pelo Centro da cidade. As imagens de São Jorge foram em um caminhão cedido pela empresa Sanrighi. Aos poucos, uma fileira de carros foi se juntando à carreata e no caminho, a comunidade fazia fotos, vídeos e saudava o santo por sua passagem, anunciada com toque de rei por clarim, executado por Vando Melo (Vandinho do Olodum), que sempre dá suporte à procissão. 

O percurso terminou no Centro, onde foram realizadas as celebrações que foram até a madrugada no local. A mãe Áurea de Oxalá e família agradecem a todos que participaram das homenagens e reverência a São Jorge/Ogum. Não sabemos se tem algo a ver, mas o céu na noite da procissão teve um anoitecer avermelhado, no tom de vermelho que é a cor oficial do santo.

Carreata percorreu o mesmo itinerário da procissão a pé, que deverá retornar no ano que vem

Imagens passaram por pontos da cidade, como pela Prefeitura e a Igreja Matriz; fiéis nas ruas saudaram o santo guerreiro

Origem da crença
Segundo a história, São Jorge foi um soldado romano que serviu ao imperador Diocleciano, e que virou padre e mártir cristão. Ele teria nascido na Capadócia (Turquia), e quando o imperador ordenou a morte de cristãos, ele se negou por ter se convertido ao catolicismo, sendo torturado até ser morto.

A lenda do cavaleiro contra o dragão - e a imagem que representa o santo oficialmente - surgiu de histórias das Cruzadas, quando após se tornar adulto e participar de batalhas contra os sarracenos, ele partiu para a cidade de Syelen, na Líbia. Lá, um eremita relatou que um dragão estava assolando a região, sendo que para se acalmar, jovens mulheres eram oferecidas para sacrifício.

Só havia restado uma jovem: Sabra, a filha do rei, que seria sacrificada ao dragão ou dada em casamento ao valente que matasse a besta. E foi o que aconteceu, Jorge matou o dragão com sua lança e salva Sabra, se tornando esposo dela.

Na Umbanda, São Jorge é Ogum e tem relação com a lua, onde suas manchas vistas da Terra aparentam ser São Jorge matando o dragão em noite de lua cheia. Pela mitologia iorubá, Ogum é o orixá ferreiro, senhor do ferro, da guerra, da agricultura e da tecnologia, considerado um dos mais poderosos orixás. A cultura é mais constante no Rio Grande do Sul e no Rio de Janeiro, além da Bahia, mas lá é sincretizado com Santo Antônio.

É padroeiro das nações de Portugal e Inglaterra, da cidade de Moscou, o estado e a cidade do Rio de Janeiro (onde inclusive é feriado municipal) e da província da Catalunha, na Espanha. Em São Gabriel, a atividade é realizada todos os anos, e é a principal em homenagem ao santo/orixá, sendo também evento oficial do município.

Confira a transmissão de grande parte da carreata:


Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 24/04/2022 20h34
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Post a Comment

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.