Pesquisador gabrielense Cesar Victora anunciou recusa de homenagem que seria entregue pelo presidente Bolsonaro por conta de discordar do tratamento do governo com a ciência nacional (foto Daniela Xu/Epidemiologia UFPEL)

Um conceituado pesquisador gabrielense que tem se destacado na defesa da saúde e da ciência recusou distinção que seria concedida pelo presidente da República Jair Bolsonaro. O professor e pesquisador Cesar Victora foi um dos indicados ao grau de Grã-Cruz da Ordem do Mérito Científico, declinou da homenagem pela discordância e descrédito do Governo Federal com a ciência. 

A informação foi dada pela colunista de GZH, Rosane de Oliveira. Victora endereçou correspondência ao ministro da Ciência e Tecnologia, Marcos Pontes e à comunidade científica explicando os motivos da decisão. “Embora a distinção represente um importante – e talvez o maior – reconhecimento para qualquer cientista brasileiro, ela me deixou dividido. A homenagem oferecida por um governo federal que não apenas ignora, mas ativamente boicota as recomendações da epidemiologia e da saúde coletiva, não me parece pertinente”, diz o professor emérito do Programa de Pós‐Graduação em Epidemiologia Universidade Federal de Pelotas. 

Em outro trecho da carta, escancara sua divergência com o governo Bolsonaro: “Como cientista e epidemiologista, tenho tornado pública, através de palestras e artigos científicos, minha completa oposição à forma como a pandemia de COVID‐19 tem sido enfrentada por esse governo. Mais ainda, enquanto cientista não consigo compactuar com a forma pela qual o negacionismo em geral, as perseguições a colegas cientistas e em especial os recentes cortes nos orçamentos federais para a ciência têm sido utilizados como ferramentas para retroceder os importantes progressos alcançados pela comunidade cientifica brasileira nas últimas décadas”. 

O professor acrescentou um parágrafo dizendo que escreveu a carta de recusa antes de saber que as indicações de dois colegas cientistas com posições críticas ao governo federal foram tornadas sem efeito, conforme o Diário Oficial de 5 de novembro. Ele se refere a Marcus Vinícius Lacerda , autor de um dos primeiros estudos sobre a ineficácia da cloroquina no tratamento de pacientes da covid-19, e Adele Schwartz Benzaken, que já foi diretora do departamento de HIV/Aids do Ministério da Saúde, mas foi exonerada no início do atual gestão. 

Victora é conhecido por defender a ciência, tanto é que foi agraciado internacionalmente em 2017, com o prêmio Gairdner de Saúde Global pelos estudos da importância da amamentação e nutrição materno-infantil. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações de GZH 
Data: 05/11/2021 20h41
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Post a Comment

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.