Se a pandemia te atrapalhou, o REFIS te regulariza! Prefeitura de São Gabriel

Assine 200 mega por 99,00 e leve mais 30 mega por 1 pila! CLIQUE AQUI

www.peruzzo.com.br - Acesse, compre e receba em casa!

Painéis Solares A Elétrica - Energia Solar em até 120x

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Clínica Imuniza - Muito mais do que vacinar, cuidar do seu bem estar - CLIQUE AQUI E SAIBA MAIS

Faça seu cartão Cauzzo e tenha os melhores profissionais para sua saúde

O Sicredi Essência faz mais por você!

Use Odontologia em São Gabriel - saúde bucal para você e sua família

Anúncio Dra Ana Paula Ross

27 abril 2021

São Gabriel perde Arlindo Vargas

Médico e ex-deputado Arlindo Vargas morreu nesta terça aos 73 anos (foto arquivo C7)

A comunidade gabrielense perdeu um grande médico e político. O ex-deputado federal e médico Arlindo Roso de Vargas morreu nesta terça-feira (27) aos 73 anos, após problemas de saúde que vieram a se agravar nos últimos meses. Nascido em Formigueiro em 14 de janeiro de 1948, fez sua carreira médica e política em São Gabriel, chegando a ser vereador e primeiro deputado federal pelo município, com inúmeras realizações na área política e da saúde.

Filho de Armindo Antônio de Vargas e de Juvelina Roso de Vargas, foi formado em Medicina pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), Arlindo se estabeleceu em São Gabriel onde era especializado em ortopedia. Secretário de divulgação do diretório acadêmico da Faculdade de Medicina no período de estudante, logo após a formatura passou a integrar o Conselho Regional de Medicina em seu estado. Foi ainda vice-presidente (1976-1977) e presidente (1977-1979) da Associação Médica do Rio Grande do Sul e membro do Centro Francês de Informação Permanente de Medicina de Paris (1976-1983). Em 1978, concluiu o curso de pós-graduação em medicina do trabalho na Universidade de Santa Maria, tendo feito diversos cursos na área de ortopedia médica entre 1977 e 1979.

No período que se estendeu de 1976 e 1979, foi superintendente regional da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) do Rio Grande do Sul e ocupou diversos cargos em São Gabriel, como o de secretário de Saúde e Assistência Social, chefe do Serviço Nacional de Medicina Social do Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social (INAMPS) e coordenador do Sistema Único de Saúde (SUS). 

Dedicou-se à política após a extinção do bipartidarismo, em novembro de 1979, e a conseqüente reformulação partidária, filiando-se ao Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB), de cuja convenção nacional participou como delegado nos períodos de 1979-1980 e 1982-1983. Foi presidente (1982) e vice-presidente (1986-1987) do partido em São Gabriel, além de suplente do diretório regional do PMDB gaúcho (1983-1985). Ao longo desse período, ainda em São Gabriel, presidiu o conselho médico da Santa Casa de Caridade (1984-1986) e a Associação dos Previdenciários (1985-1986), e integrou o conselho fiscal da Associação dos Arrozeiros local.

No pleito de novembro de 1988, foi eleito vereador em São Gabriel na legenda do PMDB, assumindo o mandato em janeiro de 1989. Foi presidente da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara Municipal em 1990 e 1991, ano em que se transferiu para o Partido Trabalhista Brasileiro (PTB), tornando-se membro da executiva da Associação dos Vereadores do PTB gaúcho e presidente do diretório do partido em São Gabriel até 1995. Reeleito vereador em outubro de 1992 na legenda do PTB, com o início da nova legislatura, em janeiro de 1993, deu continuidade aos trabalhos como presidente da Comissão de Constituição e Justiça, tendo atuado ainda, em 1995, como vice-presidente da mesa da Câmara Municipal.

Nas eleições de outubro de 1994, candidatou-se a deputado federal pelo Rio Grande do Sul na legenda do PTB, mas obteve apenas uma suplência, mantendo-se no exercício do mandato como vereador até 31 de dezembro de 1996. Em janeiro de 1997, assumiu o mandato de deputado federal na vaga do petebista Hugo Lagranha, que se elegera prefeito de Canoas (RS) em outubro do ano anterior, participando dos trabalhos legislativos como primeiro-vice-presidente da Comissão de Trabalho, Administração e Serviço Público da Câmara. 

Ainda em fevereiro de 1997, votou a favor da emenda que instituiu a possibilidade de reeleição para prefeitos, governadores e o presidente da República. Em novembro, todavia, opôs-se ao destaque ao projeto de reforma administrativa do governo que instituiu o fim da estabilidade no serviço público em caso de mau desempenho do servidor ou quando os gastos com pessoal fossem superiores a 60% da arrecadação do Estado.

Em outubro de 1998, candidatou-se mais uma vez a deputado federal na legenda do PTB, obtendo uma nova suplência. No mês seguinte, cumprindo o mandato que se encerraria em janeiro de 1999, votou a favor da criação de um teto para as aposentadorias dos funcionários públicos e da instituição do limite de idade mínima e do tempo de contribuição como critérios de cálculo para a concessão de aposentadorias no setor privado. 

Na legislatura iniciada em fevereiro de 1999, chegou a exercer brevemente o mandato como suplente no mês de janeiro de 2003. Um ano antes, candidatara-se novamente a deputado federal, na legenda do PTB, obtendo, mais uma vez, uma suplência. Passou pelo PSDB e estava no PSD, sua última agremiação partidária na vida pública.

Era casado com Cláudia Burmeister de Vargas, com quem teve três filhos. A comunidade gabrielense e gaúcha perdem um grande médico e político. Ainda não há informações sobre cerimônias fúnebres. 

Fonte: CPDOC da FGV

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 27/04/2021 08h50
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.