02 março 2021

Há 25 anos, banda Mamonas Assassinas terminava em tragédia aérea

Há 25 anos, banda Mamonas Assassinas teve carreira interrompida em acidente aéreo (foto divulgação)

Há 25 anos, em 2 de março de 1996, chegava a um fim prematuro e trágico uma banda que conquistou aos brasileiros de todas as idades. Os integrantes da banda Mamonas Assassinas morreram em um acidente aéreo com um jato Learjet 25D prefixo PT-LSD, quando vinham de show em Brasília no sábado, 1º de março daquele ano, se chocando na Serra da Cantareira ao chegar em Guarulhos. 

A banda formada por Dinho Alves, Bento Hinoto, Júlio Rasec, Sérgio e Samuel Reoli, conquistou o público com letras que faziam piadas, zoeira de tudo e todos e bom humor. Eles tinham uma banda de rock chamada "Utopia", que não deu certo e aí resolveram fazer algo humorístico e fora do comum, com o empresariado de Rick Bonadio. A banda se apresentava com pijamas e até fantasias, o que conquistou o público, principalmente crianças, que eram grande parte de fãs. 

Os maiores sucessos foram "Vira-Vira", "Pelados em Santos" (a música da Brasília amarela), "Robocop Gay", "Lá vem o alemão", entre outras, com escracho e canções com vários ritmos musicais. O último grande show no RS foi no Planeta Atlântida daquele ano, que teve sua primeira edição no litoral gaúcho. Naquele acidente, morreram também Isaac Souto (ajudante de palco), Sérgio Saturnino Porto (segurança), Jorge Luiz Germano (piloto) e Alberto Takeda (co-piloto). 

A cobertura da morte dos Mamonas foi repercutida pela mídia, que acompanhou as despedidas realizadas em Guarulhos, inclusive com a Rádio São Gabriel transmitindo, visto que ela fazia parte da Rede Líder de Rádios na época, que tinha matriz em São Paulo. Os Mamonas estavam se preparando para uma turnê em Portugal, alvo de uma de suas músicas, "Vira-Vira", onde os portugueses acreditavam que ela falava dos problemas políticos do Brasil. 

A banda foi homenageada aqui com o bloco Diretoria, que trouxe o enredo "Mamonas Para Sempre", campeão do Carnaval de São Gabriel em 2013, com autoria de Marcel da Cohab e Ricardo Moreno. Por incrível que pareça, nenhuma outra banda conseguiu mais reproduzir o estilo dos Mamonas, que venderam mais de 1,8 milhões de discos. Quem viveu aquela época, se questiona como seria a banda nos dias de hoje. 

Confira uma apresentação no Domingão do Faustão, para ver como era a banda: 


Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 02/03/2021 10h56
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.