29 fevereiro 2020

Litera7: Invisível.

Alex Barcellos Pinto
Colunista do site

Aquela era uma noite incomum. Em um dia qualquer de maio, não estávamos como de costume na frente da tela de uma televisão assistindo a tradicional novela das oito. Mas, não por decisão própria, acontece que naquele dia, a luz tinha acabado por um acidente com um caminhão e o poste na esquina da minha casa. O calor dentro de casa nos fez sentar nas cadeiras de praia na varanda, e na falta de algo melhor para fazer, conversar entre nós.



As conversas eram muitas, falamos sobre a escola, minha avó contava como os primos de fora eram cuidadosos e generosos, minha mãe falava sobre os problemas no trabalho, minha irmã sentada mexendo nas unhas e meu pai tentava sintonizar um radinho de pilhas para escutar o resultado do jogo do São Gabriel F.C que na ocasião estava jogando contra o Guarani de Bagé. Esses momentos não eram muito rotineiros, mas lembro que sempre apreciei muito quando aconteciam, mas isso só era possível quando o sexto membro da família se calava, a TV.

Já fazia 4 horas sem luz quando ela finalmente voltou. A tagarela incansável voltou rapidamente a falar. – Espera a luz voltar direito, guria, vai queimar a TV desse jeito! – disse a vó para minha Irmã, mas ela já estava sintonizada e falando novamente. As três mulheres da casa se juntaram no sofá novamente, e eu, naquele dia, resolvi ficar sentado com o pai na varanda. Ele não estava prestando muita atenção em mim, apenas quando precisava comentar algum lance errado que o deixava furioso – bando de perna de pau, parece que estão jogando amarrados! – disse ele enquanto me olhava e tirava o rádio do ouvido.  - Amarrados? – Pensei. – Mas se estão amarrados, por que não se soltam? Perguntei direcionando minha pergunta a ele.  E ele mais do que rapidamente me respondeu – Para, guri, isso é jeito de falar! Estão jogando sem vontade, sem gana, como se não quisessem ganhar! – Acho que compreendi, mas a palavra “amarrados” não saía da minha cabeça. Foi só então que eu comecei a pensar sobre as tais cordas que amarravam esses jogadores.

Primeiro, pensei em cordas mesmo, daquelas que via nos desenhos nos quais o gato fazia armadilhas para o rato ou o coiote tentava pegar o Papa-léguas e sempre acabava amarrado a uma penca de dinamites. Depois, pensei em cordas invisíveis como as lançadas por varinhas mágicas em uma das histórias do Harry Potter. E, motivado pelas cordas invisíveis, lembrei de um texto que havia lido há anos para a escola e que trazia a seguinte frase: O essencial é invisível aos olhos, e só se pode ver bem com o coração. Uma frase maravilhosa da obra clássica “O pequeno príncipe”, então tudo começou a fazer sentido.

Naquele jogo de futebol, as cordas estavam invisíveis aos olhos, mas não ao coração. Percebi, então, que precisava olhar para elas com o coração e não com os olhos. Meu pai olhava com os olhos, e pelo desejo da vitória do São Gabriel, não conseguia ver as cordas do nervosismo, do medo, da preocupação e tantas outras que amarravam aqueles jogadores naquele momento. Eles realmente estavam amarrados por cordas invisíveis, e tudo isso fazia muito sentido agora, e mesmo que estivesse triste pela derrota que se aproximava a cada minuto, sentia pena dos jogadores que estavam sendo vaiados em campo.

Foram momentos em que me perdi em todas as formas de pensamentos possíveis sobre as tais cordas. Pensei em um milhão de coisas que me amarravam e eu não conseguia ver. Olhei para meu pai, pensei sobre as cordas que o amarravam, para a minha mãe o mesmo, assim, repeti o processo em toda a família e logo me esqueci de tudo aquilo e deixei meu pai ali. Entrei e fui para meu quarto continuar o livro que estava lendo. Uma noite incomum que ficou esquecida por muito tempo graças às cordas que me amarraram.

Sinceramente, não consigo me lembrar do resultado final da partida ou do livro que lia, e tampouco conseguiria me lembrar dessa pequena história. Mas, hoje, depois de tanto tempo, uma flor carregou essa frase com ela e fez com que chegasse até mim, fazendo-me lembrar do que realmente é essencial. A rosa única que consegue mexer com o príncipe mais do que mexeu a raposinha que o ensinou esta frase maravilhosa. Mexe no que é invisível àquele pequeno menino que, ao crescer, esqueceu-se do que é essencial, mas lembrou-se ao sentir o perfume da pequena rosa.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui, mas deixamos claro uma coisa. Não vamos tolerar bandalheiras e bagunça no blog, por que somos favoráveis ao debate, mas com respeito e educação:
- Identifique-se na hora de postar o comentário;
- Ofensas e xingamentos contra outras pessoas ou à direção do blog, não serão tolerados, além de ser passíveis de ações judiciais, com identificação dos responsáveis;
- Ao escrever, pense que o blog é seu. E que você pode ser acionado judicialmente pelos comentários;
- Não "ponha palavras" na boca dos outros, por que não vai passar;
- Quer deixar endereços web, use o cadastro na hora de comentar;
- CAIXA ALTA, erros de português ou outros semelhantes, nem pensar! Aqui não é local de gente que não está preparada para dar opinião, muito menos bagunceiros ou arruaceiros.
- O comentário tem que ser relacionado a postagem, do contrário, não será considerado.
- Denúncias de qualquer natureza, tem que ser feitas diretamente às autoridades, com a Brigada Militar pelo 190 e a Polícia Civil pelo 3232-6166.