15 fevereiro 2020

Estado do RS abre oficialmente a Colheita do Arroz em Capão do Leão

Autoridades jogam ao ar os grãos de arroz encerrando a solenidade de abertura da Colheita do Arroz em Capão do Leão, que recebeu o evento durante três dias
Nesta sexta-feira (14), aconteceu a a 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz, na Estação Experimental Terras Baixas da Embrapa Clima Temperado, em Capão do Leão, no sul do Estado. O evento foi realizado durante três dias na estrutura da Embrapa, com participação de empresas em vitrines tecnológicas e palestras técnicas. São Gabriel participou do evento no dia do seu encerramento, onde haveria a abertura simbólica.



Gabrielenses estiveram presentes em excursão organizada pelo Núcleo Local do IRGA

Grupos eram levados até as Vitrines Tecnológicas implantadas na Embrapa em Capão do Leão

Cada uma tinha apresentações técnicas dos produtos demonstrados nas vitrines
O evento contou com a participação de cerca de 7,5 mil pessoas nos seus três dias, que visitaram as vitrines tecnológicas de arroz e soja, além de equipamentos e experiências que visam o combate de pragas, aumento de produção e qualidade dos grãos. Na abertura, foram utilizadas colheitadeiras da John Deere, New Holland e Massey Ferguson, tripuladas pelas autoridades. Um detalhe que chamou a atenção foi o almoço oferecido pela Associação dos Arrozeiros do Alegrete que atraiu um grande público, um arroz de carreteiro confeccionado em panelões gigantescos feitos pela Indústria Bastiani, de Alegrete. Para o almoço, foram utilizados 100 quilos de arroz e 150 de carne.

Evento teve variedades de grãos de arroz e soja apresentadas por várias empresas do setor

Em todas as vitrines, explicações técnicas foram repassadas aos visitantes

Rainha do Arroz de Alegrete, Nathasha Lopes, esteve presente ao evento visitando os estandes

Arrozeiros de Alegrete prepararam o tradicional carreteiro, que foi prestigiado pela maioria dos presentes à Abertura
A 30ª Abertura Oficial da Colheita do Arroz teve como tema a "integração para a sustentabilidade", que reflete os desafios da orizicultura. Organizado em parceria pela Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e pela Federação das Associações de Arrozeiros do Rio Grande do Sul (Federarroz), o evento reúne produtores, pesquisadores e representantes de empresas especializadas. A busca de uma produção sustentável do ponto de vista ambiental, social e econômico é tida como a principal maneira de conferir viabilidade à atividade.

Durante os três dias de programação, mais de 20 empresas expuseram tecnologias para o arroz, soja e culturas de terras baixas. O evento também contou com demonstrações a campo e estandes de serviços, máquinas e equipamentos para o setor orizícola. A troca de conhecimento na área de inovação e o debate de políticas públicas em níveis estadual e federal também fazem parte das discussões.

O evento contou a colaboração do Instituto Rio Grandense do Arroz (Irga), que está celebrando 80 anos de trabalhos voltados à lavoura arrozeira do Estado. Durante a cerimônia, a autarquia foi homenageada através da simbólica “Pá do Arroz”, quando a Federarroz presta o seu reconhecimento àqueles que se destacaram no setor arrozeiro. Dois servidores do Irga receberam a distinção neste ano: a pesquisadora Mara Grohs e o assessor José Carlos Pires.

Abertura da Colheita aconteceu na parte da tarde, praticamente encerrando o evento

Governador veio em uma colheitadeira da John Deere; ao final, máquinas despejaram grãos em um pequeno silo
Durante a solenidade, ocorreu a assinatura de edital entre a Secretaria Estadual da Agricultura, Superintendência do Porto de Rio Grande, Federarroz e Farsul, para o estabelecimento de um terminal destinado ao arroz no Porto de Rio Grande. A partir deste ato, foi tornado público o processo seletivo simplificado para arrendamento transitório do antigo Terminal da Cesa/Rio Grande, que se tornará o Terminal Logístico do Arroz (TLA). Ele será dedicado à movimentação e armazenagem do arroz e seus derivados dentro da infraestrutura do Porto, tornando-se um importante instrumento portuário para a política de armazenagem e movimentação do arroz no Estado.

A área é composta por silos com 60 células de aeração, 36 inter células e quatro células tripartidas que totalizam a capacidade estimada de 52 mil toneladas, configurando um instrumento portuário para política de armazenagem e movimentação do arroz no Estado. O Arrendamento Transitório operacionaliza a área portuária até que sejam finalizados os procedimentos licitatórios definitivos pela Secretaria Nacional de Portos e Transportes Aquaviários do Ministério da Infraestrutura, e pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (ANTAQ).


A cerimônia também contou com a participação de autoridades e representantes do setor como o chefe-geral da Embrapa Clima Temperado, Roberto Pedroso, presidente do Irga, Guinter Frantz, deputado federal, representando a Câmara dos Deputados, Jerônimo Goergen, senador Luiz Carlos Heinze, presidente da Fetag-RS, Carlos Joel da Silva, presidente da Farsul, Gedeão Pereira, secretário de Estado da Agricultura, Pecuária e Irrigação, deputado Covatti Filho, presidente da Frente Parlamentar Da Agropecuária da Câmara dos Deputados, deputado Federal Alceu Moreira, senador da República Lasier Martins, presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado estadual Ernani Polo.

Reportagem: Marcelo Ribeiro
Data: 15/02/2020 17h35
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário: