Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Há 35 anos, "O Grito do Campo" reunia agricultores em Porto Alegre

Dias 31/01, 1º e 2/02 - 2ª Festa da Cordeira e 1º Cordeiraço da Canção Nativa em Santa Margarida do Sul - prestigie!

22-02-2020 Prestigie o Carnaval da Despertar, na Seven! Baile com Tudo di Bom. Clique aqui para mais info

Se inscreva no Vestibular de Verão da Urcamp - provas com agendamento diário

Dotto Advocacia - Cível, criminal, trabalhista, trânsito - clique aqui para entrar no site

Hospede-se na Rede de Hotéis Suárez, um hotel sempre perto de você! CLIQUE AQUI PRA FAZER SUA RESERVA

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Matricule-se no Fisk e ganhe um presente!

Garupa São Gabriel - Tá aqui do lado

Pague o IPTU 2020 em São Gabriel e tenha descontos até 10 de fevereiro!

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Inscreva-se no Valor S do Sicredi Pampa Gaúcho

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Studio H de Mana, venha conhecer

Há 35 anos, "O Grito do Campo" reunia agricultores em Porto Alegre

Encontro que reuniu mais de 35 mil agricultores no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, pedia melhores condições para o campo e foi histórico; o então candidato à Presidência, Tancredo Neves, participou do mesmo (fotos divulgação repassadas por Nestor Tipa Júnior)
Em 2 de outubro de 1984, o País acompanhava pela TV uma mobilização inédita de produtores rurais, mais especialmente agricultores. O Grito do Campo foi um movimento organizado pelas cooperativas agropecuárias que levou centenas de produtores ao Estádio Beira-Rio. Cerca de 35 mil produtores estiveram presentes, liderados pelas cooperativas agropecuárias, na manifestação, que pedia melhores condições para o setor rural. Na ocasião, o candidato à presidência Tancredo Neves participou do ato.



Agricultores pediam o fim de políticas que não davam garantias, mais crédito e aposentadoria justa

Estádio Beira-Rio ficou lotado para mobilização que serviu de motivação para demais manifestações e uniu os agricultores do Sul do país
O movimento aproveitava a redemocratização do País para pedir condições mais justas para o setor agro. Durante dois meses, os organizadores planejaram o evento que reuniu pessoas de todas as regiões do Rio Grande do Sul e de outros estados. Estima-se que mais de 700 ônibus e 300 automóveis chegaram a Porto Alegre, com faixas e cartazes criticando a política do "Plante que o João (Figueiredo) garante", o que trazia incertezas para os agricultores. Eles queriam mais crédito, melhores preços mínimos, e previdência equiparada à dos trabalhadores urbanos. Na época, os agricultores recebiam aposentadorias de apenas meio salário mínimo.


No final do regime militar, o movimento abriu caminho para inúmeras outras mobilizações de produtores rurais que o Brasil assistiria nos anos seguintes. Naquele dia, os agricultores - grandes, médios e pequenos - descobriram que sua voz podia ser ouvida em Brasilia. O evento foi planejado pelas cooperativas filiadas à Fecotrigo (hoje Fecoagro - Federação das Cooperativas Agropecuários do RS) e anunciado, com destaque, nos jornais e emissoras de rádio e televisão, seria um alerta cooperativo à nação, num momento crucial da retomada da democracia. O movimento uniu os agricultores e lembrou que o cooperativismo e a agricultura são a grande força do Rio Grande do Sul.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 02/10/2019 09h47 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: