Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: STJ manda réus do incêndio da Kiss a júri popular

Acompanhe nossa cobertura sobre a guerra ao coronavírus

Para matar sua fome, pede uma Baita Pizza em São Gabriel! Clique aqui e saiba mais!

Supermercado Bromberger - O gigante dos preços baixos em São Gabriel!

Participe da promoção "De Malas Prontas" da Dismabe Superauto e ganhe um vale-viagem!

Colégio Perpétuo Socorro contra o coronavírus

Conheça o novo endereço da Pohlmann Móveis em Madeira e Decoração

Se inscreva no Vestibular de Verão da Urcamp - provas com agendamento diário

Hospede-se na Rede de Hotéis Suárez, um hotel sempre perto de você! CLIQUE AQUI PRA FAZER SUA RESERVA

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Matricule-se no Fisk e ganhe um presente!

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Previna-se contra o novo coronavírus - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Se proteja do Coronavírus com as dicas do Sicredi

Studio H de Mana, em novo endereço

STJ manda réus do incêndio da Kiss a júri popular

Réus do caso Kiss deverão enfrentar júri popular, de acordo com decisão do STJ (foto arquivo C7)
A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) decidiu por unanimidade mandar os réus do caso do incêndio da Boate Kiss a júri popular. O STJ atendeu recursos do Ministério Público do Rio Grande do Sul e da Associação de Vítimas e Sobreviventes da Tragédia de Santa Maria e decidiu que os réus devem ser submetidos ao júri. Os ministros entenderam que eles devem ser levados a júri popular, pois assumiram o risco de matar, com o chamado dolo eventual.



São acusados neste caso os sócios da boate, Elisandro Spohr e Mauro Hoffmann, e integrantes da banda que tocava na noite em que as chamas tomaram a casa noturna, Marcelo Santos e Luciano Bonilha.

A decisão do desta terça foi unânime, com votos dos quatro ministros presentes na sessão. O ministro Sebastião Reis Júnior não participou, na ocasião. Os réus não responderão pelas qualificadoras: meio cruel pelo fogo e asfixia e motivo torpe, ganância.


Eles ainda poderão recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF). Os réus respondem pela morte de 242 pessoas e ferimentos em outras 600 na tragédia ocorrida em 27 de janeiro de 2013, durante festa que acontecia na Boate. Em torno de oito gabrielenses foram vítimas da tragédia.

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações de O Sul 
Data: 18/06/2019 18h41
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: