Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Após cobrir R$ 40 milhões de déficit, Prefeitura estuda extinção do IPRESG

Acompanhe nossa cobertura sobre a guerra ao coronavírus

Agora em São Gabriel, preço e qualidade no mesmo lugar - Posto JP Santa Lúcia

Chega de pagar caro na conta de luz - Vá de Ecotec Energy

La Belle - Para mulheres de bom gosto

Supermercado Bromberger - O gigante dos preços baixos em São Gabriel!

Participe da promoção "De Malas Prontas" da Dismabe Superauto e ganhe um vale-viagem!

Hospede-se na Rede de Hotéis Suárez, um hotel sempre perto de você! CLIQUE AQUI PRA FAZER SUA RESERVA

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel Previna-se com o Fisk - Wash your hands

Ichthus Sabores - Seu mais novo delivery em São Gabriel

Promoção Urbano 60 anos - 1 milhão em prêmios

Compre no Comércio local - Uma campanha CDL e ACI São Gabriel

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Previna-se contra o novo coronavírus - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Sicredi Pampa Gaúcho - proteja-se de golpes

Studio H de Mana, em novo endereço

Chiabotto Lanches - a nova opção de lanches para a comunidade gabrielense

Após cobrir R$ 40 milhões de déficit, Prefeitura estuda extinção do IPRESG

Devido ao elevado déficit, Prefeitura estuda extinguir o IPRESG (foto arquivo C7)
O déficit previdenciário do funcionalismo público municipal, que vem sendo coberto desde 2005 por uma Contribuição Suplementar da Prefeitura de São Gabriel, além da contribuição patronal e de cada servidor, chegou a patamares insustentáveis para as finanças do Município. A avaliação, feita a partir de dados estatístico-financeiros das despesas públicas, é do prefeito Rossano Gonçalves, que determinou na manhã desta quarta-feira, 26 de junho, a criação de um Grupo de Trabalho para estuda a extinção do Instituto de Previdência dos Servidores Públicos Municipais de São Gabriel (IPRESG).



Uma lei municipal de 2005 instituiu a Contribuição Suplementar, para cobrir um desequilíbrio atuarial do Instituto, criado por fatores como rendimentos de aplicações de fundos abaixo do esperado, promoções e incorporações salariais às vésperas da aposentadoria sem a capitalização necessária, e a ausência das compensações de diversas aposentadorias junto ao INSS pelos anos de contribuição ao regime previdenciário federal.  A Contribuição tem um crescimento gradual a cada ano, e de 2005 até hoje já foram gastos R$ 40 milhões.  A se manter este regime, serão gastos mais R$ 10 milhões até 2020, e no período de 2021 a 2024, mais R$ 25 milhões estariam comprometidos com esta destinação. “Num cenário de forte retração econômica e crise fiscal, não é possível tanto recurso do contribuinte ser destinado para cobrir lacunas geradas por gestões anteriores do Instituto”, assinalou o Chefe do Executivo.


Atualmente, o Ipresg atende 1068 servidores de um universo de 1519 funcionários. A perspectiva de que o Congresso Nacional exclua os Estados e Municípios da reforma da Previdência, obriga as prefeituras a adotar suas providências, para o que Rossano determinou estudos imediatos. “O direito adquirido do servidor permanecerá inalterado”, destaca o prefeito. Com a extinção do Instituto, seu patrimônio e seus recursos são revertidos a um Fundo Municipal Previdenciário, destinado a garantir as aposentadorias. 

Reportagem: Comunicação Social Prefeitura SG
Data: 27/06/2019 10h04 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
1 Comentário(s)

Um comentário:

Anônimo disse...

Interessante não ter dinheiro, a pouco o prefeito autorizou que funcionários ganhem R$100,00 por reunião para valorização. A diretora do IPREGS está construindo um lugar maior. E agora está sem dinheiro, não entendo essa administração.