Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Militar pedritense pode ser o novo comandante do Exército

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

19 de janeiro, Vestibular Unopar 2019. Inscreva-se!

Inauguração da filial da Cremolatto em São Gabriel neste sábado, 22 de dezembro

Aproveite mais uma chance de vestibular na Urcamp - 16 de janeiro

Prestigie a 37ª Festa Campeira do CTG Caiboaté - 8, 9 e 10 de fevereiro de 2019

Aproveite o Festival de Verão Tottal e já tem também o material escolar

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Prestigie o 10º Baile do Chopp em Santa Margarida do Sul - 26 de janeiro

Pague o IPTU em cota única e ganhe descontos! Até 11 de fevereiro

Militar pedritense pode ser o novo comandante do Exército

General Edson Leal Pujol, que é natural de Dom Pedrito, poderá ser o novo comandante do Exército (foto Mateus Picinini/Prefeitura de Porto Alegre)
Um militar nascido em Dom Pedrito e que mantém boas relações com o novo Presidente da República poderá ser o novo comandante do Exército no Governo de Jair Bolsonaro. O General Edson Leal Pujol, 63 anos, que já foi Comandante Militar do Sul e atualmente está no Departamento de Ciência e Tecnologia da força militar, poderá assumir o comando, substituindo o seu antecessor, General Eduardo Villas Bôas, 66 anos, que está no final da carreira.



A substituição ganha força nos bastidores. Pujol, que está há 12 anos como General, foi colega de Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e dois fatores contribuem para que ele seja escolhido. O primeiro, já mencionado, é a antiguidade na carreira. O outro é que, caso o general Villas Bôas tenha de deixar o cargo por motivo de doença, Pujol é seu substituto-natural — e isso independe da vontade presidencial. Villas Bôas está doente, com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

O general Pujol tem uma estreita e longa relação com o Rio Grande do Sul. Ele já comandou a 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Santiago e chefiou o Comando Militar do Sul de 2016 a 2018. É filho do coronel da BM Péricles Pujol.

O general estudou no Colégio Militar de Porto Alegre de 1967 a 1970. Começou carreira militar como aspirante a oficial, e cursou a Academia Militar de Agulhas Negras. É da Cavalaria, arma pela qual tirou primeiro lugar na turma da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Em 2011, no primeiro governo Dilma, Pujol foi chefe do CIE (Centro de Inteligência do Exército), em Brasília, órgão que produz informações confidenciais sobre a situação do país. Entre março de 2013 e março de 2014, Pujol comandou a Força de Paz na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah). Ele também foi ligado ao Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI, responsável pela Agência Brasileira de Inteligência — Abin), entre abril de 2014 e abril de 2015.

Pujol é considerado "liberal" para os padrões das Forças Armadas. Defende a legalidade e sempre negou alinhamento com qualquer tendência de "intervenção militar" fora do papel constitucional. Assim como os demais generais cotados para o comando, é crítico ao comunismo. É cristão devoto, conciliador e discreto nos modos.

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações do site Defesanet
Data: XX/XX/2018 XXhXX 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: