Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Militar pedritense pode ser o novo comandante do Exército

Prestigie o 45º Remate da Cabanha Santa Maria, em 7 de outubro, durante a 85ª Expofeira de São Gabriel

Dia 6 de outubro - a festa mais colorida do ano em rosário do Sul - Glow in the Dark 2

Festejos Farroupilhas de São Gabriel - confira a programação

Dia 19 de setembro, Fandango Tradicional do CTG Tarumã - animação com Garotos de Ouro

Faça o seu UnimedCARD, menos de 30 centavos por dia!

Setembro, mês da bíblia - Colégio Perpétuo Socorro

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça inglês e espanhol no Fisk - matrículas abertas

Tchê Burger - Vai um tchê aí? Seu novo delivery de lanches em São Gabriel

Garupa São Gabriel - Tá aqui do lado

More com conforto no Hotel Obino de São Gabriel. Saiba mais!

Renegocie suas dívidas judiciais com a Prefeitura com o REFIS Judicial

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Máquina de cartões Sicredi - a máquina que vem com um parceiro de negócios

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Studio H de Mana, venha conhecer

Gás Querência - promoção apenas 75 reais o botijão, no dinheiro

Militar pedritense pode ser o novo comandante do Exército

General Edson Leal Pujol, que é natural de Dom Pedrito, poderá ser o novo comandante do Exército (foto Mateus Picinini/Prefeitura de Porto Alegre)
Um militar nascido em Dom Pedrito e que mantém boas relações com o novo Presidente da República poderá ser o novo comandante do Exército no Governo de Jair Bolsonaro. O General Edson Leal Pujol, 63 anos, que já foi Comandante Militar do Sul e atualmente está no Departamento de Ciência e Tecnologia da força militar, poderá assumir o comando, substituindo o seu antecessor, General Eduardo Villas Bôas, 66 anos, que está no final da carreira.



A substituição ganha força nos bastidores. Pujol, que está há 12 anos como General, foi colega de Bolsonaro na Academia Militar das Agulhas Negras (AMAN) e dois fatores contribuem para que ele seja escolhido. O primeiro, já mencionado, é a antiguidade na carreira. O outro é que, caso o general Villas Bôas tenha de deixar o cargo por motivo de doença, Pujol é seu substituto-natural — e isso independe da vontade presidencial. Villas Bôas está doente, com Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA).

O general Pujol tem uma estreita e longa relação com o Rio Grande do Sul. Ele já comandou a 1ª Brigada de Cavalaria Mecanizada de Santiago e chefiou o Comando Militar do Sul de 2016 a 2018. É filho do coronel da BM Péricles Pujol.

O general estudou no Colégio Militar de Porto Alegre de 1967 a 1970. Começou carreira militar como aspirante a oficial, e cursou a Academia Militar de Agulhas Negras. É da Cavalaria, arma pela qual tirou primeiro lugar na turma da Escola de Aperfeiçoamento de Oficiais.

Em 2011, no primeiro governo Dilma, Pujol foi chefe do CIE (Centro de Inteligência do Exército), em Brasília, órgão que produz informações confidenciais sobre a situação do país. Entre março de 2013 e março de 2014, Pujol comandou a Força de Paz na Missão de Estabilização das Nações Unidas no Haiti (Minustah). Ele também foi ligado ao Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República (GSI, responsável pela Agência Brasileira de Inteligência — Abin), entre abril de 2014 e abril de 2015.

Pujol é considerado "liberal" para os padrões das Forças Armadas. Defende a legalidade e sempre negou alinhamento com qualquer tendência de "intervenção militar" fora do papel constitucional. Assim como os demais generais cotados para o comando, é crítico ao comunismo. É cristão devoto, conciliador e discreto nos modos.

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações do site Defesanet
Data: XX/XX/2018 XXhXX 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: