Táxi Cristiano 24h - Sua opção de transporte pessoal em São Gabriel

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Sua formação não pode esperar - Ingresse na Urcamp!

Cotribá - Cooperativismo para a produtividade em São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Vem para a Unopar em São Gabriel!

Danilo Pires Assistência Técnica agora é Good Place, com o melhor em Apple

Curso Sargento Anderson - campeão de aprovações em São Gabriel e região

anúncio prefeitura sg dengue

Super Engenho São Gabriel - Mais qualidade para sua família

Foco no Futuro com a Urcamp - inscrições para o vestibular de verão abertas!

São Gabriel Saneamento - o melhor está por vir, acredite

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Urbano Alimentos - colaborando para o crescimento de São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Ajude o Rio Grande do Sul neste momento difícil! O Sicredi está nessa!

Drª Sandra Regina Marçolla Weber - na VidaMed

01 agosto 2018

Opinião do leitor: O Frei, o Jejum, a Fome e o Apetite

Tarso Francisco Pires Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Em mais um dos episódios que está transformando a pré-campanha eleitoral de 2018 em um sanatório, o PT decidiu anunciar um “jejum” pela libertação do ex-presidente Lula, preso em Curitiba após condenação por corrupção passiva pelo colegiado do TRF4. O PT usa a expressão religiosa “jejum” em vez de “greve de fome”, instrumento de pressão política que o próprio Lula teria usado quando foi preso, em 1980, após uma greve em São Bernardo do Campo. Digo “teria”, porque anos depois o próprio Luis Inácio confessou que burlou a greve com barras de chocolate e balinhas.  Mas seis militantes do MST foram escolhidos para este sacrifício. Combina com a trajetória do PT: de partido a organização criminosa, e de organização criminosa a seita religiosa.



E para um “jejum” em favor de uma falsa religião, nada melhor que um falso frei, como é o caso de Sérgio Göergen. Pra quem não se lembra, trata-se do ex-deputado estadual petista, que era um dos principais agitadores do MST nos confrontos ocorridos em São Gabriel em 2003, 2007 e 2008. Que se identifica como frade franciscano, mas nem sequer concluiu o curso de filosofia e teologia da Ordem.  O homem que insuflou uma marcha do movimento ao município quando o STF anulou a desapropriação da antiga Fazenda Southall, e estimulou o conflito com os produtores rurais. Autor de um livreto tendencioso, chamado “Marcha ao Coração do Latifúndio”, que destila ódio aos produtores rurais e a São Gabriel, descrita como “um ponto perdido no mapa do Rio Grande”, e onde narra o sonho de erguer, nos 13.222 km daquela área, o “assentamento modelo para o Brasil”.

Dez anos após a desapropriação da área pelo Incra, o sonho do frei se cumpriu: o conjunto de assentamentos com 680 famílias é um “modelo” de fracasso, onde nem um terço do investimento federal prometido se consumou. Ali há um “jejum” de recursos. O retorno médio da área para a economia local retrocedeu mais de 300%, e o gigantesco passivo social, com aumento dos gastos em estradas, educação, saúde, e até transporte de água potável, ficou nas mãos do Município. E embora alguns insistam em dizer que não há correlação, houve também o aumento da criminalidade. De janeiro de 2016 a junho de 2017, a Delegacia de Polícia de São Gabriel registrou 54 crimes que foram cometidos em assentamentos ou por assentados. 

Não é coincidência que o frei que hoje passa fome por Lula, tenha deixado um legado de fome e miséria em São Gabriel.  Afinal, no ritual macabro do socialismo, a fome do povo é um mero detalhe para quem precisa atender ao verdadeiro apetite, que é o poder. 
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.