Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Charqueada São João: cenário que conta a história do Rio Grande

Charqueada São João, que tem mais de 200 anos e é preservada pela família Mazza, é um dos principais pontos turísticos de Pelotas e patrimônio histórico nacional
Em Pelotas, uma marca dos tempos áureos da pecuária e da história do Rio Grande do Sul é um importante ponto turístico e foi cenário de grandes produções culturais. Visitada pela excursão de São Gabriel e Vila Nova coordenada pela Reck Turismo, a Charqueada São João, construída em 1810 e reconhecida como Patrimônio Nacional pelo IPHAN, é a única que mantém suas características originais e o acervo da época do Ciclo do Charque, que foi um tempo próspero para os gaúchos. O local também foi cenário das produções "A Casa das Sete Mulheres" e "O Tempo e o Vento". A reportagem do Caderno7 conheceu este local histórico, que tem histórias boas e tristes também.



Grupo de São Gabriel e Vila Nova do Sul que visitou a Charqueada neste domingo

Local simboliza o Ciclo do Charque no Estado e foi cenário de produções como "A Casa das Sete Mulheres" e "O Tempo e Vento", filmados em suas dependências
O ciclo do charque teve início em 1780, quando o português José Pinto Martins veio do Nordeste após uma seca que assolou a região e trouxe o conhecimento a respeito do charque para a Região Sul. O local, que foi residência da família do charqueador Antônio José Gonçalves Chaves, foi construído no início do Sécuo XIX às margens do Arroio Pelotas, sendo uma das mais bem sucedidas economicamente. O local funcionou como indústria até 1937.

O local também conta sobre a escravidão. Tal como em todo o Brasil Colonial, a mão de obra no período do Ciclo do Charque era escrava. A Charqueada São João ainda preserva os objetos e ferramentas utilizadas na indústria do charque e mantém a fachada original da Senzala - lugar onde os escravos dormiam, no chão duro, com apenas uma janela gradeada. Os proprietários da Charqueada salientam que esta história é contada para que não se repita.

Fotos mostram recordações das filmagens das produções que foram ambientadas no Rio Grande do Sul

No jardim, destaque para a figueira que teria mais de 500 anos de existência
Também se conta sobre a história da Família Mazza, quando em 1949, a família adquiriu a Charqueada por meio de um presente de amor. Nóris Madeira Mazza viveu sua infância e juventude no local, que pertencia ao seu pai e sempre comentou das boas lembranças. Seu esposo Rafael a presenteou com a São João, como prova de amor e para que ela pudesse reviver os bons momentos da juventude. Ali, eles criaram seus filhos, netos e bisnetos, que seguem preservando seu sonho.

A partir de 2000, após o falecimento de Nóris, a família começou a explorar a Charqueada no potencial turístico, sendo aberta para visitação mediante ingresso. Em 2002, o local foi cenário da minissérie "A Casa das Sete Mulheres", dirigida por Jayme Monjardim e dez anos depois, novamente escolhida por ele para as filmagens de "O Tempo e o Vento". Ela ainda passou por uma restauração em 2010, quando completou 200 anos e hoje, é administrada por Marcelo Mazza.

Gruta de São João Batista, local que também era usado pelos escravos para reza aos orixás, que ficavam escondidos nas pedras

Casa preserva características de sua fundação e foi restaurada em 2010. Visitas podem ser agendadas via internet
No local, são apresentadas as dependências da casa após assistir um vídeo institucional, os jardins, a gruta de São João Batista - retratada no ENART pela União Gaúcha João Simões Lopes Neto, em apresentação que dividiu opiniões. Fazem parte da estrutura turística um passeio de barco e um almoço típico, para quem desejar. O local ainda serve também para visitas de grupos escolares, fotos de formatura e eventos sociais. Por motivos de segurança, não são permitidas fotos ou filmagem na parte interna da Charqueada, mas o que existe lá dentro vale a pena ver com os próprios olhos.

Para quem estiver em Pelotas, vale a pena passar por lá. As visitas devem ser agendadas pelo e-mail mmazzaterra@gmail.com, ou pelos fones (53) 3228-2425 ou 3015-1810. Informações podem ser obtidas também pelo site www.charqueadasaojoao.com.br. A Charqueada fica na Estrada da Costa, 750, no Bairro Areal, em Pelotas.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 11/06/2018 21h07 
Contato Redação Site: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: