Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Vem aí novo processo seletivo da Unopar, inscreva-se já

Vem aí mais um Ofertaço Grazziotin

09-11 Penha de Aniversário CTG Caiboaté - Chiquito e Bordoneio

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Oficina de Costura

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Opinião do leitor

Tarso Francisco Pires Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Senar: Um quarto de século que vale por gerações
Quanto tempo dura uma geração?
Eis aí uma pergunta para a qual não existe uma única resposta, ou ao menos, não existe um consenso amplo sobre qual resposta seria mais aceita.  Alguns dizem que uma geração dura a média do tempo de vida das pessoas em uma sociedade, o que seria hoje algo em torno de 75 anos.  Outros definem “geração” como um espaço de tempo caracterizado por comportamentos e hábitos sociais, e que pode durar entre 30 a 25 anos.  Historicamente, tivemos a chamada “Geração Perdida”, nascidos entre 1883 e 1900 que viveram a Primeira Guerra Mundial; “Geração Grandiosa”, que lutou a segunda Guerra; os chamados Baby Boomers, nascidos após a Segunda Guerra, e que dominaram a política até os anos 80; as gerações X, Y e Z, e assim por diante.


Se é possível que uma geração dure cerca de 25 anos, também é possível que 25 anos tenham impactos definitivos sobre muitas gerações subsequentes. É o que se dá no agronegócio brasileiro com a existência do SENAR, Serviço Nacional de Aprendizagem Rural, que neste ano de 2018 completou seu Jubileu de Prata.  Desde sua criação através da Lei Federal 8.315, de 1991, o Serviço Nacional de Aprendizagem Rural nasceu, não somente para assegurar formação e qualificação aos empregados do campo, mas especialmente para dotar o empregado rural de um espírito empreendedor, transformando-o num agente de mudanças do processo produtivo.

Não por acaso, o período coincide com o começo de uma grande expansão do agronegócio brasileiro. Se hoje o Brasil produz mais de 200 milhões de toneladas de grãos, equivalendo praticamente a uma tonelada de alimentos por habitante, usando apenas 8% do solo disponível no país, isso se deve não somente ao grande incremento de tecnologia nas lavouras e na pecuária, mas também ao grande número de profissionais que, em todo o Brasil, foram capacitados e treinados para esta nova fase do agronegócio nacional.

Sim, sabemos que ainda há muito a ser feito. Mas graças ao investimento feito em capacitação nos últimos 25 anos, o arquétipo do trabalhador rural como o matuto atrasado e sem estudo, só existe ainda em algumas telenovelas, que não tratam o homem do campo com respeito. Hoje, o trabalhador rural brasileiro é formado, especializado, se prepara para exercer sua atividade, e por conta disso, também é melhor remunerado.  Estes 25 anos de existência do Senar, produzirão ainda um poderoso impacto na economia rural e na vida do país pelas próximas gerações.
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: