Confira as mensagens de Natal e Ano Novo dos nossos parceiros

Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Polícia Civil passa a registrar assassinatos de mulheres como feminicídios a partir de 2018

Caso Estelita foi o mais recente feminicídio em São Gabriel, motivando protestos por justiça. A partir de 2018, Polícia Civil oficializará o termo para assassinatos de mulheres motivados por diferenças de gênero (foto arquivo C7)
A Polícia Civil do Rio Grande do Sul passará a utilizar, a partir de 1º de janeiro de 2018, o termo feminicídio nos casos de assassinatos de mulheres motivados por diferenças de gênero. A decisão foi informada esta semana. Atualmente, quando uma mulher é morta nestas circunstâncias, o crime é tipificado como homicídio no boletim de ocorrência e só ao final do inquérito, ganha status de feminicídio. Não haverá mudanças nos processos de apuração e indiciamento.



A investigação seguirá a cargo das 22 Delegacias Especiais de Atendimento à Mulher (DEAMS) onde elas existem e nas demais cidades, nas Delegacias locais ou de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Neste ano, 65 mulheres foram assassinadas no Rio Grande do Sul por discriminação de gênero. Os feminicidios tentados subiram de 178 para 247, em relação ao ano passado. A mudança foi comemorada na manhã desta quinta-feira com um ato da ONG Minha Porto Alegre, no Parque da Redenção, onde vítimas de feminicídio foram lembradas.

Em São Gabriel, o caso mais recente foi a morte da engenheira florestal Estelita Penteado Saldanha, 36 anos, morta pelo ex-marido Ricardo Marin, que não aceitava o fim da relação. Ele foi encontrado morto dias depois, em Porto Alegre. Manifestações de ativistas feministas pediram justiça no caso e chamaram para reflexão sobre a violência contra a mulher.

Feminicídio
Conforme a Lei 13.104, ou Lei do Feminicídio, considera-se enquadrado nesse crime quem mata uma mulher por questões de gênero. Isso ocorre em casos de violência doméstica, menosprezo e discriminação por ser do sexo feminino. A pena para feminicídio varia de 12 a 30 anos, assim como nos homicídios qualificados.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 02/11/2017 17h51 
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: