Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Papo Reto no Caderno7

Prestigie o 45º Remate da Cabanha Santa Maria, em 7 de outubro, durante a 85ª Expofeira de São Gabriel

Dia 6 de outubro - a festa mais colorida do ano em rosário do Sul - Glow in the Dark 2

Festejos Farroupilhas de São Gabriel - confira a programação

Dia 19 de setembro, Fandango Tradicional do CTG Tarumã - animação com Garotos de Ouro

Faça o seu UnimedCARD, menos de 30 centavos por dia!

Setembro, mês da bíblia - Colégio Perpétuo Socorro

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça inglês e espanhol no Fisk - matrículas abertas

Tchê Burger - Vai um tchê aí? Seu novo delivery de lanches em São Gabriel

Garupa São Gabriel - Tá aqui do lado

More com conforto no Hotel Obino de São Gabriel. Saiba mais!

Renegocie suas dívidas judiciais com a Prefeitura com o REFIS Judicial

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Máquina de cartões Sicredi - a máquina que vem com um parceiro de negócios

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Studio H de Mana, venha conhecer

Gás Querência - promoção apenas 75 reais o botijão, no dinheiro

Papo Reto no Caderno7

João Pedro Lemos
Colunista do blog

Os conjuntos de uma realidade, na visão de Chimamanda Adichie
Lendo um depoimento da escritora nigeriana Chimamanda Adichie, parte de uma tarefa de minha esposa que cursa Administração no Instituto Farroupilha, dei-me conta de que no assunto domínio cultural e econômico muito pouco mudou, exceto na conscientização. Muito se debate, mas pouco se concretiza quando se pensa na construção de uma nova maneira de ler a história. Aconselho o vídeo “Chimamanda Adichie: o perigo de uma única história” no youtube.  Vale a pena assistir, porque diz muito. Vamos refletir:



Chimamanda Adichie: vídeo com pronunciamento reflete nas redes
Uma realidade em si, reúne no seu conjunto uma série de fatos e questões que nunca podem ser vistos de um único ponto de vista. Por muito tempo, não só em continentes como a África, mas também na América Latina aprendemos sobres nós mesmos a partir da visão de outrem, de cultura e economia dominante nesse caso a Europa e Estados Unidos. Nesse ponto de vista nossos heróis continuam sendo de lá, Capitão América, Homem Aranha, 007... E foi a partir dessa cultura dominante que começamos a ver as minorias, mesmo às deles, como inferiores, da mesma forma que nossa própria identidade e não como o diferente, que reúne suas próprias riquezas e qualidades.

Que herói brasileiro temos hoje? Um latino americano? Nenhum, porque desde nossa aprendizagem, nossas histórias são estrangeiras e nós, para nós mesmos, temos muito pouco a contar. Foi a partir do foco dominante do ocidente que passamos a ver e entender o mundo, a partir de uma realidade bem diferente, de uma única visão que aprendemos nossa história e a interpretar a história em si.

Aos poucos com o passar do tempo começamos a entender e nos entender, e a entender a forma unilateral de compreendermos a nós mesmos, ao mundo e a diversidade cultural que nos cerca. É como ouvirmos a história de quem descobriu o Brasil ou a história de como era o Brasil antes dos europeus invadirem-no, tanto no sentido territorial, quanto cultural, inclusive teológico.

Por isso nunca podemos nos deixar levar por uma única história, um único ponto de conta-la e interpretá-la, porque dessa forma perdemos o que há de mais grandioso, inclusive de nós mesmos.

Nossa valorização como pessoa, como povo, especialmente os latino-americanos passam por essa perspectiva que a partir do filósofo argentino Henrique Dussel. A América Latina no contexto filosófico sempre foi tratada como o “Não Ser”, por ser o diferente, aliás vale a pena ler também. Mas essa questão vale para outro momento, por hora vale a reflexão de Chimamanda.
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: