Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Ministério Público anuncia ação civil contra Prefeitura e Qualiti por fornecimento precário de alimentos para abrigos

Promotoras de Justiça apresentaram situação dos abrigos na questão de fornecimento alimentar na tarde de hoje, no Ministério Público e anunciaram ação civil contra a Prefeitura e Qualiti
Em uma coletiva à imprensa na tarde desta quarta-feira (17) no Auditório da entidade, o Ministério Público de São Gabriel anunciou que entrou com um ação civil pública contra a Prefeitura e a Qualiti, empresa que fornece a alimentação dos Casas de Acolhimento (abrigos) de crianças e adolescentes. A alegação é que estaria ocorrendo insuficiência de alimentos para os jovens dos dois abrigos, situados no Centro da cidade e no Bairro Menino Jesus.
As Promotoras de Justiça Renata Lontra de Oliveira e Karen Cristina Mallmann relataram o ocorrido. Segundo Renata, a questão teria sido originada a partir de uma visita surpresa a uma das Casas, no final de abril. "Verificamos vários problemas no fornecimento das refeições aos abrigados e pedimos providências que não foram tomadas", afirmou a Promotora, que anunciou que entrou com uma ação civil pública contra a Prefeitura e a Qualiti para que regularize a situação, considerada grave pelo MP.

Nos documentos apresentados, as Promotoras afirmaram que problemas estruturais comprometeriam a alimentação das crianças e jovens assistidos, como falta de cozinhas adequadas, cardápio deficiente em alimentação e a qualidade dos alimentos, assim como o preparo em uma delas. A ação ainda pede a rescisão parcial de contrato com a empresa de alimentação no caso das casas de acolhimento, instalação de cozinhas completas nas duas casas e que o Município comprove a existência de suficiência alimentar para os jovens assistidos, sob pena de multa diária de mil reais. A Promotora Renata informou que pedirá o rompimento parcial do contrato da Prefeitura com a Qualiti.

Não ficou claro se a situação é de hoje ou já vem de tempos, pois segundo as Promotoras, a visita foi feita recentemente - o que gerou dúvidas. "Tudo o que ocorre, é um descaso grave. As crianças já foram neglienciadas na vida e estão sendo negligenciadas de novo com a falta de uma alimentação correta", finalizou a Promotora Renata.

O que diz a Prefeitura?
A decisão anunciada pelas Promotoras teria pego a Prefeitura e a Secretaria de Assistência Social de surpresa. A assessoria da Secretaria informou que uma manifestação deverá ser tornada pública a qualquer momento, pois uma reunião ocorre no final da tarde para um possível pronunciamento à imprensa e a comunidade. Aguarde mais informações, vamos esperar.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 17/05/2017 16h50
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: