Confira as mensagens de Natal e Ano Novo dos nossos parceiros

Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

“O agronegócio precisa de um 2017 menos caótico”, diz Tarso Teixeira

A recuperação da estabilidade econômica em 2017, tanto para o agronegócio quanto para outras cadeias produtivas da economia, irá depender em larga escala, da retomada da estabilidade política e institucional. A avaliação é do Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel, o médico veterinário Tarso Teixeira, que nesta entrevista repassa o ano de 2016 no agronegócio local, além de traçar um diagnóstico sobre o que o agronegócio pode aguardar para o ano de 2017.



Como o senhor vê o encerramento de 2016? Foi aquilo que se esperava?
O que podemos dizer, sem dúvida alguma, é que o campo fez a sua parte. Em que pese termos sofrido com uma estiagem nos meses de dezembro de 2015 e janeiro deste ano, e depois com fortes chuvas de março e abril, a safra foi cumprida, com excelentes índices no arroz e no soja, por exemplo. No entanto, não há como tapar o sol com a peneira: os preços pagos ao produtor continuaram muito baixos, o custo de produção aumentou progressivamente, e no meio de tudo isso, o agravamento da crise econômica e política afetando o agronegócio como um todo.

Em setembro deste ano, veio o anúncio da conquista da exportação de carne in natura do Brasil para os Estados Unidos, México, Canadá e Japão. Mas aí no final do ano, a unidade do Marfrig fechou as portas no Alegrete, restando agora somente as de São Gabriel e Bagé. Como isso preocupa o setor? Eles dizem que a pecuária está sendo “engolida” pela lavoura, isso é correto?
Sem dúvida que a preocupação é grande. Há coisa de três anos, a unidade de São Gabriel estava na degola, e escapou por determinações de ordem judicial.  Agora, com o fechamento do frigorífico de Alegrete, embora a empresa diga que as demais unidades continuarão funcionando normalmente, é evidente que isso causa uma apreensão no setor. O discurso de que há falta de animais para abate, não corresponde à realidade. O que há, de fato, é uma negociação comercial da indústria com o produtor muito desfavorável para o pecuarista, que acaba optando por outras destinações, até mesmo pelo envio de gado em pé. O Sindicato Rural, oficialmente, sempre defendeu a integração lavoura-pecuária, e aqui em São Gabriel existem iniciativas sólidas neste sentido. Mas sim, existe também o produtor que migrou da pecuária para a agricultura em busca de uma melhor remuneração, mas este é um movimento sazonal, que vai sempre mudar de acordo com o mercado.

Para o próximo ano, o que o campo deve esperar, principalmente o agronegócio aqui da nossa região?

O nosso grande gargalo ainda é a crise econômica, que é mãe da crise política.  2016 era o ano em que esperávamos estancar a crise política com a mudança da presidência, para o que a Farsul e a CNA inclusive cooperaram ativamente. Não foi, infelizmente, o que aconteceu. O cenário institucional está hoje profundamente corroído, com os três poderes se digladiando entre si e um novo governo que ainda não exerce a liderança que o país precisa.  Devemos nos preparar para um cenário em que esta crise institucional tenha continuidade, e mais do que isso, agravando a crise econômica. Mas o gargalo econômico, sem dúvida, é o mais preocupante. O país está fechando no vermelho desde 2010, e nessa época ninguém ouvia falar de Sérgio Moro ou da Lava-Jato.  As coisas só tenderão a uma melhora se de fato o país avançar nas reformas que estão sendo discutidas, como a da Previdência e do teto de gastos públicos. Mas mesmo com a economia crescendo, ela tende a crescer num ritmo muito pequeno frente ao que foi perdido.  Mas acredito, como sempre acreditei, na força do produtor brasileiro, o grande responsável pela agricultura moderna que garante ao país o pouco de estabilidade econômica que não foi corroído pela política.  Se as decisões macropolíticas se realinharem, vamos ter um 2017 mais promissor.

Reportagem: Cláudio Moreira/Especial Caderno7
Data: 20/12/2016 12h20
Contato: (55) 3232-3766 / 96045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: