Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Opinião do leitor: O “Tchau” da “Oi” e o fracasso do estado-empresário

Tarso Francisco Pires Teixeira
Presidente do Sindicato Rural de São Gabriel
Vice Presidente da Farsul

Completou-se já mais de um mês do governo interino do presidente Michel Temer, mas em que pese o estilo fleumático e cerimonioso do novo Chefe do Executivo sugerir o contrário, a calmaria ainda não chegou. Envolvido pela sucessão de notícias quase policiais contendo delações premiadas, inquéritos e políticos processados, o noticiário deu baixíssima repercussão a uma notícia que representa o quanto ainda amargaremos prejuízos pelas opções dos governos Lula e Dilma no campo da economia. A Oi, gigante nacional da telefonia, ingressou com um pedido de recuperação judicial para sanar uma dívida formalmente declarada de R$ 64,5 bilhões, superando o recorde anterior de falência, que era do empresário Eike Batista e sua EGX, na ordem de R$ 24,8 bilhões e que era, até então, o maior volume de recuperação judicial de uma empresa da América Latina.



Pra produzir um fracasso desses, é preciso cometer erros com brutal persistência, e tudo isso começa com a guinada que o governo federal começou a dar, a partir de 2009, na condução da economia. Depois da quebradeira mundial de 2008, alguns petistas iluminados chegaram à conclusão de que “o capitalismo liberal havia acabado”, e por isso modificaram os marcos da política econômica, colocando, nas palavras do petismo, “o Estado como indutor do desenvolvimento”.  A obsessão nacionalista do Planalto queria criar gigantes empresariais brasileiras, já que das 100 maiores marcas globais, nenhuma – NENHUMA – é do Brasil. E fizeram isso concedendo financiamentos com juros três vezes menores do que o custo, compra de ações e títulos através de fundos de pensão e até mudanças na legislação para beneficiá-las. O governo chamou essas operações de “Política dos Campeões Nacionais”, para estimular o crescimento de empresas que pudessem ser campeãs no seu setor. As três empresas-símbolo dessa estratégia foram justamente a Oi, a EGX e a JBS. Duas delas faliram, e a que sobreviveu, anuncia que está abrindo seu capital para estabelecer sua sede na Europa. Isso sem falar que a Oi, resultado da fusão da Telemar com a Brasil Telecom,  teve ainda empréstimos camaradas do BNDES para adquirir a Gamecorp, empresa do filho do então presidente Lula, captando, só pra essa operação, R$ 1,8 bilhão do erário público.

Só para ilustrar, a maioria dos contratos do Plano Safra 2016/2017 apresenta juros de 12,75%, acima até da taxa Selic. E o investimento no agronegócio é melhor negócio para o governo do que para o produtor, já que, enquanto a média de inadimplência de todos os contratos do Banco do Brasil é de 2,5%, na carteira de crédito rural é de apenas 0,6%.  Enquanto isso, Eike Batista fez um negócio camarada com a Caixa Federal para saldar suas dívidas em 40 anos.

O modelo econômico dos governos petistas, em que o Estado atuava como empresário e sócio, revelou-se um desastre, e, provavelmente, mais um caso de polícia.  Se o Estado, através de suas instituições financeiras, fomentar a atividade produtiva através das leis do mercado, já seria suficiente. No entanto, no Brasil nosso de cada dia, o óbvio nunca é tão óbvio quanto deveria ser.


Agora que a Oi está dizendo Tchau, tomara que o país aprenda a dizer “Oi” ao bom-senso econômico.

Data: 23/06/2016 11h13
Contato: (55) 3232-3766 / 96045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: