Táxi Cristiano 24h - Sua opção de transporte pessoal em São Gabriel

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Sua formação não pode esperar - Ingresse na Urcamp!

Cotribá - Cooperativismo para a produtividade em São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Vem para a Unopar em São Gabriel!

Danilo Pires Assistência Técnica agora é Good Place, com o melhor em Apple

Curso Sargento Anderson - campeão de aprovações em São Gabriel e região

anúncio prefeitura sg dengue

Super Engenho São Gabriel - Mais qualidade para sua família

Foco no Futuro com a Urcamp - inscrições para o vestibular de verão abertas!

São Gabriel Saneamento - o melhor está por vir, acredite

Estarmed Assistencial - Um plano de saúde gabrielense para os gabrielenses

Urbano Alimentos - colaborando para o crescimento de São Gabriel e região

Aproveite a Temporada Verão 2024 Peruzzo!

Ajude o Rio Grande do Sul neste momento difícil! O Sicredi está nessa!

Drª Sandra Regina Marçolla Weber - na VidaMed

30 maio 2024

CONTRA O PRECONCEITO | Vereador Moisés Marques condena intolerância religiosa contra o RS

Vereador e presidente do Legislativo gabrielense condenou manifestações preconceituosas contra religiosos de umbanda no RS que tem gerado controvérsia nas redes sociais (foto Marcelo Ribeiro/portal Caderno7)

Na terça-feira, 28 de maio, o vereador e presidente da Câmara de Vereadores de São Gabriel, Moisés Marques (PDT), expressou sua profunda preocupação com o aumento de declarações preconceituosas contra religiões de matriz africana no Rio Grande do Sul. Em um discurso incisivo, ele destacou a necessidade urgente de combater essa discriminação. A manifestação foi necessária tanto pelo fato de Moisés ser o único religioso de matriz africana que é vereador no Estado além das recentes manifestações em redes sociais atribuindo aos simpatizantes das religiões, "culpa" pela tragédia climática no RS.

"Está havendo intolerância religiosa", iniciou Moisés. "Não queria acreditar que seriam casos isolados, mas me incomoda muito ver crescer declarações e postagens preconceituosas contra o povo de matriz africana no estado do Rio Grande do Sul", afirmou. O vereador apontou que, em meio às recentes tragédias naturais, algumas pessoas têm usado as redes sociais para culpar as religiões de matriz africana pelos desastres. "Pessoas usam redes sociais para dizer que as tragédias que assolam o estado, como as inundações, são culpa do povo afro-religioso", afirmou Moisés.

Enfatizando a importância de não se calar diante de tais atos de intolerância, Moisés afirmou: "Vivenciamos momentos de tristeza, perda e incertezas, onde todas as lideranças políticas e religiosas se unem para ajudar uns aos outros, independentemente de credo, ideologia política ou religiosa."

Moisés criticou duramente aqueles que aproveitam situações de calamidade para atacar a fé alheia. "Usar de uma fatalidade climática para denegrir a fé alheia é de uma covardia imensurável e um crime tipificado na lei. Precisamos nos unir; estas coisas não podem ficar impunes. Quando alguém publicamente demonstra seu racismo religioso, certamente é porque tem a certeza da impunidade."

O presidente da Câmara mencionou episódios recentes de discursos intolerantes, citando pseudocristãos como Paulo Santos, que atribuiu as enchentes à feitiçaria e satanismo do povo do Rio Grande do Sul, e a empresária e influenciadora Micheli Dias, que sugeriu que as tragédias eram uma manifestação da ira divina contra a presença de terreiros de candomblé no estado. Moisés também criticou o prefeito Valdemar Rocha, de Barra do Sul (SC), por suas declarações insinuando que a falta de igrejas no Rio Grande do Sul seria a causa das enchentes.

"Fico pensando: esses que se intitulam 'povo de Deus' não têm amor ao próximo? Nada os comove, nada os sensibiliza? Em plena situação de vulnerabilidade do povo gaúcho, eles promovem palavras de racismo religioso e discriminação, em vez de proferir palavras de amor e solidariedade. Sou mais povo de terreiro, sou afro-religioso: amor, verdade e justiça", declarou Moisés.

Reafirmando seu compromisso com a defesa dos direitos das religiões de matriz africana e a luta contra a intolerância religiosa, Moisés destacou: "Precisamos estar atentos a esta afro-teofobia enraizada nos indivíduos oportunistas que estão sempre à espera de um momento para atacar. Não podemos permitir que esses atos de covardia e desrespeito continuem impunes."

Além da esfera religiosa, os atos de intolerância também atingem o próprio povo gaúcho, com episódios de xenofobia e intolerância por parte de pessoas de fora do Estado. No entanto, o povo gaúcho tem mostrado uma forte união, com pessoas de todas as ideologias políticas, religiosas e sociais se ajudando mutuamente. Em São Gabriel, por exemplo, umbandistas, católicos e evangélicos estão caminhando juntos, ingressando em seus templos religiosos para ajudar os que mais necessitam. Esta união é uma realidade em todo o Estado do Rio Grande do Sul.

"Que possamos tirar uma mensagem e um exemplo positivo de toda essa tragédia, seguindo o exemplo do povo gaúcho: união independente de ideologia política, opinião, religião, cor, gênero, classe social. Sejamos humanos, com respeito e empatia pelo próximo", finalizou Moisés Marques.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 30/05/2024 14h32 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
0 comentários via Blogger
comentários via Facebook

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.