Se a pandemia te atrapalhou, o REFIS te regulariza! Prefeitura de São Gabriel

Assine New Life Fibra - fibra óptica de qualidade para você!

Bariani Estética Automotiva - em novo endereço

www.peruzzo.com.br - Acesse, compre e receba em casa!

Painéis Solares A Elétrica - Energia Solar em até 120x

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Faça seu cartão Cauzzo e tenha os melhores profissionais para sua saúde

Sicredi-Faz-Mais-setembro.gif

Use Odontologia em São Gabriel - saúde bucal para você e sua família

Anúncio Dra Ana Paula Ross

10 outubro 2021

Morte de Renato Russo completa 25 anos nesta segunda

Nesta segunda-feira, 11 de outubro, completam-se 25 anos da morte de Renato Russo, que compôs e gravou músicas até quando sua saúde permitiu e se eternizou com a Legião Urbana (foto divulgação)

Nesta segunda-feira (11), completam-se 25 anos da morte de um dos maiores nomes do rock brasileiro. Renato Manfredini Júnior, ou melhor dizendo, Renato Russo, vocalista da banda Legião Urbana, morreu por volta das 1h15 da madrugada de 11 de outubro de 1996, no Rio de Janeiro, por complicações causadas pela Aids. Sua morte deixou a música brasileira de luto.

Mesmo tendo nascido no Rio de Janeiro, Renato Manfredini Júnior chegou aos 13 anos de idade para morar em Brasília. Foi na capital do país que ele viveu a adolescência e o interesse pelo rock. Em 1980, fez o primeiro show com a recém-criada banda Aborto Elétrico. A banda estava começando a fazer sucesso mas foi desfeita antes de gravar o primeiro disco. Renato ainda continuaria como "O Trovador Solitário" por um tempo. 

Em 1984, já na Legião Urbana, formada com Dado Villa-Lobos, Marcelo Bonfá e Renato Rocha (que depois sairia da banda e viria a morar nas ruas, falecendo em 2015). teve o primeiro disco. A identificação dele com a cidade fez história(s), como com as inspiradas letras de Eduardo e Mônica e Faroeste Caboclo, além de muitas outras músicas que traziam reflexões e críticas sociais fortíssimas, ainda mais em um tempo que o Brasil vivia a transição do regime militar para a democracia. Era considerado um gênio, mesmo com os problemas recorrentes de drogas e álcool. Suas letras traziam as preocupações e os dramas da juventude, como as relações, o amor, além da crítica social aos problemas do Brasil. No auge, a relação com os fãs chegava a ser de uma divindade, onde alguns o admiravam como se fosse um Deus.

Com a banda, Renato Russo gravou nove discos e mais quatro solo, além de sete álbuns póstumos. Os últimos álbuns foram considerados pela crítica reflexivos e como uma espécie de despedida, por conta que a saúde se agravava devido à Aids - Renato seria soropositivo desde 1989, mas nunca assumiu publicamente e o álbum "A Tempestade ou o Livro dos Dias", foi o último gravado com o cantor vivo em estúdio, já debilitado pela doença. A banda foi oficialmente extinta em 22 de outubro de 1996. 

Mesmo com tanto tempo, Renato Russo ainda é referência para várias gerações, que ouviram e aprenderam a gostar da Legião Urbana, que virou quase que como uma religião e um marco na música popular brasileira. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações da Agência Brasil 
Data: 10/10/2021 16h51 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.