Se a pandemia te atrapalhou, o REFIS te regulariza! Prefeitura de São Gabriel

Assine New Life Fibra - fibra óptica de qualidade para você!

Bariani Estética Automotiva - em novo endereço

www.peruzzo.com.br - Acesse, compre e receba em casa!

Painéis Solares A Elétrica - Energia Solar em até 120x

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Faça seu cartão Cauzzo e tenha os melhores profissionais para sua saúde

Sicredi-Faz-Mais-setembro.gif

Use Odontologia em São Gabriel - saúde bucal para você e sua família

Anúncio Dra Ana Paula Ross

19 janeiro 2021

Grupo lança campanha para preservar Bugio encontrado no Balneário do Pedroso

Grupo Patinhas e Focinhos alerta para que população preserve o Bugio e não chegue perto; grupo ainda buscará apoio de autoridades para que vida não corra risco (foto divulgação)

O Grupo Patinhas e Focinhos iniciou uma campanha de esclarecimento para proteger um Bugio que foi encontrado no Balneário do Pedroso. O animal, que vive em seu habitat, está se tornando agressivo em razão da intensa movimentação dos veranistas no local, incluindo som alto.  Acostumado com o movimento o Bugio está se aproximando dos acampamentos, o que poderá trazer problemas para ele e para as pessoas.

Diante do problema a integrante do grupo, Érica Borges, entrou em contato com um veterinário especialista em animais silvestres, Yuri Ramos, e está procurando as autoridades competentes para que a vida do macaco não seja colocada em risco. A campanha consiste num trabalho de educação e conscientização sobre os bugios, com postagens e avisos nas redes sociais, que posteriormente serão colocados no balneário. Também está sendo buscado o apoio da prefeitura.

O médico veterinário Yuri Ramos alerta que as pessoas não cheguem perto do Bugio, mantenham uma distância mínima de 10 metros, não o alimente e que respeite o espaço do animal para que não ocorram acidentes, pois ele pode se tornar agressivo.

Confira na íntegra as orientações do veterinário: Bugios (Alouatta spp.) são primatas com características peculiares e interessantes, seu temperamento tende a ser de maneira geral hostil, sendo que sempre devemos evitar o contato direto com o animal em circunstâncias de aproximação, seu comportamento pode ser imprevisível para muitos, apesar de expressar-se com clareza. Em muitas situações o mesmo pode se tornar agressivo, seja por alimentação ou demarcação territorial.

Sua alimentação é predominantemente folívora-frugívora (folhas, flores, brotos, frutos), sendo o indicado não oferecermos qualquer tipo de alimentação ao mesmo.

Estas espécies exercem função ecológica rica, sendo uma a dispersão de sementes, ajudando de maneira importante na manutenção ecológica da área em que vive.

Uma questão a ser levantada é que estes animais são vítimas da febre amarela, tanto quanto nós seres humanos, oferecendo grande perigo à espécie, além disso é considerada uma espécie sentinela de ocorrência do vírus na região, sendo importante para a detecção antecipada do vírus antes da chegada à cidade e consequentemente aos humanos, podendo assim autoridades públicas tomarem medidas profiláticas ao aparecimento e transmissão do vírus.

Muitos levantaram a possibilidade de realocar o animal, porém esta é uma situação complicada, onde necessita de uma equipe multidisciplinar, parecer de órgãos ambientais e área ambiental que tenha porte para abrigar este animal, necessitando de estudos minuciosos.

As principais ameaças à espécie são o desmatamento e perda de habitats, muitas vezes presos em “ílhas” de mata, caça, atropelamentos e doenças. Sendo muitas destas situações iniciadas e tomadas por nós humanos, está em nosso dever lutar pela preservação do pouco que resta de fauna e flora em nossa região, devendo ser um motivo de beleza (admirada de longe), função ecológica e educação para futuras gerações.
(Yuri Ramos - Médico Veterinário com experiência em medicina de pequenos animais, conservação e medicina de animais silvestres)

* Crime Ambiental: Ao encontrar macacos vivos, sadios e em vida livre, as pessoas não devem capturá-los, retirá-los de seu habitat, alimentá-los, levá-los para outras áreas, agredi-los ou muito menos matá-los. A prática de abuso e maus tratos a animais será punida com pena de reclusão de dois a cinco anos, além de multa. A criação de animais silvestres sem autorização ambiental é crime cuja pena é detenção de seis meses a um ano e multa.

Reportagem: Divulgação
Data: 19/01/2021 12h42
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Com jeito, tudo pode ser dito das mais variadas formas. Solicitamos: leia a matéria antes de comentar. Colabore conosco para a difusão de ideias e pontos de vista em nível civilizado.