17 julho 2020

Investigação: homem é preso por homicídio ocorrido no interior de Hulha Negra

Polícia Civil prendeu homem de 45 anos indiciado pelo homicídio de Roque Scherner, 42 anos, ocorrido em junho deste ano (fotos divulgação)
Um indivíduo, identificado como  J. F. V. , de 45 anos, foi indiciado como autor de um assassinato ocorrido no interior de Hulha Negra. Na noite do dia 5 de junho de 2020, um homem foi baleado no Assentamento Nova Querência. Na manhã do dia 6, a vítima identificada como Roque Scherner, 42 anos, morreu na Santa Casa de Caridade de Bagé. Conforme o boletim de ocorrência, registrado na época pelo filho da vítima, um vizinho o chamou, informando que Scherner estava caído próximo à própria casa, com ferimentos de tiro.

A delegada Carem Adriana Silva do Nascimento, titular da Delegacia de Polícia de Pronto-Atendimento (DPPA) esteve como substituta na Delegacia de Candiota, órgão que investiga o homicídio, e priorizou que o caso fosse esclarecido com agilidade e rapidez. Após investigações e diligências, a delegada representou por um mandado de prisão preventiva, que foi determinada pelo Poder Judiciário, onde o autor foi detido e conduzido ao Presídio Regional de Bagé (PRB). Nesta semana, o inquérito policial foi remetido à Justiça.

Histórico de violência doméstica
A delegada ressalta que o autor possui histórico de violência doméstica em mais de um relacionamento. O indivíduo que assassinou Scherner era ex-companheiro da mulher que vivia maritalmente com a vítima. "Isso também demonstra sentimento de posse em relação à mulher", destaca.

Delegada Carem Nascimento detalhou informações do inquérito policial que levou à prisão do indiciado
Conforme ocorrências anteriores, a companheira da vítima  teve relacionamento com o investigado por aproximadamente dois anos e o término foi em março deste ano. Após, o indivíduo começou a conversar com a vítima e na semana do crime eles teriam iniciado uma relação e estavam morando juntos. “Na noite do assassinato a vítima teria ido até a casa da sogra para buscar a mamadeira da filha da mulher e como estava demorando, a mulher ligou para sua mãe, que informou que a vítima já teria saído de lá. Cerca de 30 minutos depois, ligaram para a mulher perguntando se era verdade que Scherner tinha sido alvejado por tiros”, explica.

Outra testemunha mencionou que estava voltando do trabalho e avistou o carro  da vítima estacionado na estrada. Quando se aproximou, viu o corpo da vítima. “Foi ele que acionou o filho da vítima e socorreram Scherner. No momento que  a vítima viu o filho, teria dito quem foi o autor do disparo que o atingiu.  Então, ele foi levado até o hospital da Colônia Nova e depois para a Santa Casa de Caridade de Bagé. Foi submetido a cirurgia, mas não resistiu”, enfatiza a delegada.

Mais testemunhas
Uma criança, filha do acusado, foi testemunha do crime, porém quem foi ouvida foi a mãe. “Representamos pelo depoimento especial a ser realizado em juízo. A mãe da criança é ex-mulher do investigado e viveu 18 anos com ele. Com ela também tem histórico de violência doméstica”, informa Carem.

As informações testemunhais são que o autor avistou a vítima em seu carro, perseguiu, ultrapassou e forçou a parada da vítima. Após, ele pegou uma espingarda e disparou dois tiros. Além disso, ainda desferiu golpes com a coronha da arma e teria ido embora dizendo que a vítima tinha que morrer. Após cometer o crime, o investigado deixou a criança com vizinhos

Tipificação do crime
A delegada Carem explica que o investigado foi indiciado por homicídio triplamente qualificado. “Por motivo fútil, em razão do ciúme e não aceitar o término do relacionamento; por meio cruel, devido as diversas lesões que a vítima sofreu, inclusive sofrendo lesões após ter caído; e recurso que dificultou a defesa da vítima, porque foi de imediato, sem a vítima ter tempo de reagir. Ele também foi indiciado por submeter criança ou adolescente sob sua autoridade , guarda ou vigilância, a  vexame ou constrangimento . Isso por ter cometido o crime de homicídio na frente de uma criança.

Agressões devem ser denunciadas
O investigado tem vasto histórico de agressões. Inclusive, com a ex-mulher, a qual viveu cerca de 18 anos. Conforme boletins de ocorrências, ela relatou que foi agredida fisicamente várias vezes, porém, nunca havia registrado. Ela era mantida, praticamente, em cárcere privado, pois ele não permitia que ela saísse e nem visitasse a família.

A mulher que era atual companheira da vítima, também registrou várias ocorrências contra  o investigado na época que tinham um relacionamento. O homem ainda possui outras passagens pela polícia como, por exemplo, tentativa de homicídio.

A delegada Carem salienta que o objetivo dessas informações não é expor ninguém, muito pelo contrário, a ideia  é justamente alertar que um relacionamento abusivo precisa ser denunciado. “A violência doméstica precisa ser denunciada, as vítimas precisam de apoio para conseguir pedir ajuda, senão as vítimas ficam nas mãos dos agressores. Isso destrói as famílias e resultam em tragédias, que muitas vezes atingem também terceiros”, encerra.

Reportagem: Anderson Ribeiro/Especial C7
Data: 17/07/2020 10h21
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe seu comentário aqui, mas deixamos claro uma coisa. Não vamos tolerar bandalheiras e bagunça no blog, por que somos favoráveis ao debate, mas com respeito e educação:
- Identifique-se na hora de postar o comentário;
- Ofensas e xingamentos contra outras pessoas ou à direção do blog, não serão tolerados, além de ser passíveis de ações judiciais, com identificação dos responsáveis;
- Ao escrever, pense que o blog é seu. E que você pode ser acionado judicialmente pelos comentários;
- Não "ponha palavras" na boca dos outros, por que não vai passar;
- Quer deixar endereços web, use o cadastro na hora de comentar;
- CAIXA ALTA, erros de português ou outros semelhantes, nem pensar! Aqui não é local de gente que não está preparada para dar opinião, muito menos bagunceiros ou arruaceiros.
- O comentário tem que ser relacionado a postagem, do contrário, não será considerado.
- Denúncias de qualquer natureza, tem que ser feitas diretamente às autoridades, com a Brigada Militar pelo 190 e a Polícia Civil pelo 3232-6166.