03 junho 2020

Professor da Unipampa explica sobre teste rápido e RT-PCR

O caso que envolveu a divulgação de um óbito de uma mulher de 60 anos gerou dúvidas sobre o teste rápido de detecção de covid-19 e o teste RT-PCR (do inglês reverse-transcriptase polymerase chain reaction) que é realizado em São Gabriel pela Universidade Federal do Pampa. O professor da instituição e que faz parte do grupo que realiza os testes, Jeferson Franco, enviou um esclarecimento sobre os mesmos à imprensa para dirimir as dúvidas e afirmou que ambos são eficazes.



Franco salienta que tanto o teste rápido quanto o RT-PCR são confiáveis. O que ocorre é que no caso do teste rápido, a detecção negativa pode ocorrer porque o corpo demora para produzir anticorpos, que são as defesas iniciais e naturais contra qualquer vírus.

"Quando uma pessoa é contaminada por um vírus, o corpo começa a produzir as defesas que são os anticorpos. O teste rápido detecta-os, mas nosso corpo demora para preparar estas defesas. Uma pessoa infectada com coronavírus pode fazer o teste e dar negativo por esse motivo, depois de vários dias, o corpo começa a ter estas defesas, e só depois disso teremos o positivo para covid-19", explica.

Ele disse que os testes funcionam melhor cinco dias após a contaminação e quando os sintoas começam a aparecer. "O teste RT-PCR verifica com maior precisão porque ele detecta o material genético do vírus, mas ele precisa ter uma certa quantidade do vírus no corpo, por isso ele funciona melhor cinco dias depois dos sintomas surgirem, mas lembramos que um teste não anula o outro", complementa.


O teste rápido é importante também por proporcionar uma forma imediata de resposta para o socorro ao paciente e se os sintomas persistirem, o profissional médico solicita o RT-PCR. "Finalizando, continuamos dando as recomendações para a comunidade: utilizem máscara e lavem bem as mãos", finaliza Franco. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 03/06/2020 15h25 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com

Nenhum comentário: