Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Caso Paulinha: Rogério Righi é condenado a 19 anos de prisão 

Acompanhe nossa cobertura sobre a guerra ao coronavírus

Agora em São Gabriel, preço e qualidade no mesmo lugar - Posto JP Santa Lúcia

Chega de pagar caro na conta de luz - Vá de Ecotec Energy

La Belle - Para mulheres de bom gosto

Supermercado Bromberger - O gigante dos preços baixos em São Gabriel!

Participe da promoção "De Malas Prontas" da Dismabe Superauto e ganhe um vale-viagem!

Hospede-se na Rede de Hotéis Suárez, um hotel sempre perto de você! CLIQUE AQUI PRA FAZER SUA RESERVA

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel Previna-se com o Fisk - Wash your hands

Ichthus Sabores - Seu mais novo delivery em São Gabriel

Promoção Urbano 60 anos - 1 milhão em prêmios

Compre no Comércio local - Uma campanha CDL e ACI São Gabriel

Urbano 60 anos - Parte da família da gente!

Previna-se contra o novo coronavírus - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Sicredi Pampa Gaúcho - proteja-se de golpes

Studio H de Mana, em novo endereço

Chiabotto Lanches - a nova opção de lanches para a comunidade gabrielense

Caso Paulinha: Rogério Righi é condenado a 19 anos de prisão 

Rogério Biscaglia Righi foi condenado a 19 anos de prisão em regime fechado pela morte de Paula Schultz Lacerda. Sentença foi anunciada próximo da meia-noite no Fórum local
Por volta das 23h45 desta quarta-feira (23), foi dado o veredito final da Justiça de São Gabriel para o Caso Paulinha Schultz, como era conhecida a jovem Paula Estefani Schultz Lopes Lacerda, após mais de 12 horas de julgamento. O ex-companheiro da vítima, Rogério Biscaglia Righi, 34 anos, foi condenado a 19 anos de prisão em regime fechado.



A sentença foi anunciada pela juíza e presidente da sessão, Juliana Capiotti. Ainda aguardavam no local, familiares da vítima e do acusado. O julgamento seguiu todos os ritos processuais durante o dia, com oitiva das testemunhas, do acusado, Promotoria e defesa do réu, que alegou "arrependimento" por ter matado a jovem e que não queria terminar o relacionamento desta forma.

A acusação, a cargo da Promotora Lisiane Villagrande Veríssimo da Fonseca, sustentou a tese de homicídio qualificado por motivo torpe (sem defesa e meio cruel) e feminicídio, além de se alicerçar nos depoimentos que mostravam o comportamento possessivo do réu com a vítima. O resultado foi recebido com alívio pela família da vítima, que deixou um filho.

A juíza agradeceu a todos que participaram do julgamento, considerado "muito difícil". Rogério deverá ser recolhido ao Presídio. Sua defesa, composta pelos advogados Gustavo Segala, Tiago Battaglin e o assistente Bruno Aloy, deverá recorrer da pena.

Relembre o caso

Em 5 de março de 2018, a vítima se dirigia para o serviço por volta das 7h45, quando foi seguida por Rogério Righi e nas proximidades da Escola Poli, ele fechou ela na calçada, e ao descer, desferiu facadas em Paula, que veio a falecer no hospital. Ele, que vinha com constantes brigas e atritos com a ex-companheira e não aceitava o fim do relacionamento, foi detido na hora e desde então, estava preso. O caso chocou a comunidade e repercutiu no Estado. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data:24/10/2019 00h25 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: