Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Massacre da Praça da Paz Celestial completa 30 anos

28-12 2º Reveillon Gaudério - CTG Querência Xucra

Prestigie o Show de Encerramento do Ano do Colégio Perpétuo Socorro - 13 de dezembro, às 20h30

Natal Tottal - em até 10x sem juros

13/12 - Pré-reveillon Protege, na Seven

Dotto Advocacia - Cível, criminal, trabalhista, trânsito - clique aqui para entrar no site

Conheça o Espaço Terapêutico Infinity, em São Gabriel

Hospede-se na Rede de Hotéis Suárez, um hotel sempre perto de você! CLIQUE AQUI PRA FAZER SUA RESERVA

Matrículas abertas no Colégio Perpétuo Socorro para 2020!

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça inglês e espanhol no Fisk - matrículas abertas

Garupa São Gabriel - Tá aqui do lado

Colabore com a limpeza da cidade, não jogue lixo na rua! Jogue Limpo com sua Cidade!

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Faça seu dinheiro crescer investindo no Sicredi

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Studio H de Mana, venha conhecer

CacauShow em novo endereço em São Gabriel. Venha conferir!

Massacre da Praça da Paz Celestial completa 30 anos

Massacre da Praça da Paz Celestial completa 30 anos; momento mais emblemático dos protestos foi registrado por Jeff Wiedner, onde um homem que não se sabe sua identidade e paradeiro até hoje, parou coluna de tanques que participaram de repressão violenta a estudantes que pediam mudanças na política chinesa e que resultou em centenas de mortes (foto Jeff Wiedner/Associated Press)
Um protesto que durou mais de quinze dias e foi reprimido violentamente, tendo suas consequências trágicas ocultadas para o resto do mundo completa três décadas nesta terça-feira. O Massacre da Praça Tiananmen, ou Praça da Paz Celestial, em Pequim, completa 30 anos, onde após dias de protesto onde cerca de 5 mil manifestantes, a sua maioria estudantes, pedia mudanças no governo chinês, comandado pelo Partido Comunista, considerado corrupto e repressivo.



Os protestos que abalaram Pequim e dezenas de outras cidades na primavera e no verão de 1989 foram desencadeados após a morte, em abril, do líder marginalizado do Partido Comunista Hu Yaobang, defensor do liberalismo econômico e político. Todos estes queriam liberdade na China, o que foi reprimido violentamente. Estima-se que milhares de estudantes foram mortos no dia chave dos protestos, em 4 de junho.

Em 20 de maio, o governo declarou a lei marcial e, na noite de 3 de junho, enviou os tanques e a infantaria do Exército à praça de Tiananmen para dissolver o protesto. As estimativas das mortes civis variam: 400 a 800 (segundo o jornal estadunidense The New York Times), 2600 (segundo informações da Cruz Vermelha chinesa) e sete mil (segundo os manifestantes). O número de feridos é estimado em torno de sete mil e dez mil, de acordo com a Cruz Vermelha. Diante da violência, o governo empreendeu um grande número de arrestos para suprimir os líderes do movimento, expulsou a imprensa estrangeira e controlou completamente a cobertura dos acontecimentos na imprensa chinesa. A repressão do protesto pelo governo da República Popular da China foi condenada pela comunidade internacional.

A foto mais emblemática desta tragédia é de um homem que até hoje não foi identificado e que pára uma coluna de tanques que se deslocava da Praça em 5 de junho, pelo fotógrafo Jeff Wiedner, da Associated Press. Não se sabe o que foi feito dele - muitos dizem que ele foi morto após ser retirado dali, outros que ele foi levado para fora do país e nem sua real identidade. O "rebelde desconhecido" foi eleito pela revista Time como uma das pessoas mais influentes do Século XX.


Mas a China, mesmo com o modernismo e o crescimento econômico, ainda vigia a liberdade de expressão e "apaga" qualquer registro do massacre, além de punir severamente quem divulgar alguma referência no país asiático. Mas fica o registro para mostrar a importância de vivermos em uma democracia.

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações da Wikipédia 
Data: 04/06/2019 10h53 
Contato da Redação: (55) 996045197 / 991914564 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: