Unopar Graduação Digital - Você digital até na hora de estudar

26-05 - Penha de Aniversário Querência Xucra - Baile com Herança Serrana

Vem aí a Penha do Churrasco no CTG Sentinela do Forte

16-06 - Top7 - O maior assalto da história em Rosário do Sul, no Clube dos Sargentos

Confira as ofertas da próxima semana na BCD São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Oficina de Costura

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

CPI da Diária: Martins admite que confundiu jeton com diária

Martins prestou esclarecimentos à CPI da Diária e admitiu ter confundido diária com jeton
A CPI da Diária, instaurada na Câmara de Vereadores para apurar suposta irregularidade envolvendo o vereador Antônio Pedro de Brito Bertazzo (Pepeca, PDT), na questão em que o mesmo foi acusado por comentário feito em rede social (embora não tendo o nome citado) ouviu um dos personagens centrais da história. O Pastor Alexandre Martins, autor do comentário feito via Facebook que falava sobre "um vereador viajando para assistir o jogo do Grêmio" que teria recebido diária de 900 reais para isso, foi ouvido e admitiu ter feito confusão por conclusões próprias.



O vereador Cilon Lisoski (PR), proponente da CPI e presidente da Comissão, disse que o objetivo é investigar se foi ou não pago, o que segundo documentação da Tesouraria da Casa, não foram pagas diárias, apenas existiu um pedido de afastamento do município sem ônus para interesse particular. "O que a gente quer ouvir é saber se foi dito mesmo, pois a comunidade nos cobra e precisamos dar resposta", frisou.

Cilon perguntou se ele postou a informação e de onde ele obteve. Martins disse que obteve do site transparência e que entendeu que o jeton (valor pago pela sessão) seria uma diária. Ou seja, ele confundiu o jeton com a diária. O pastor afirmou não ter tido conhecimento do termo "jeton" no momento do post no Facebook. Cilon perguntou ainda se ele tinha prova dessa afirmação. Martins diz que fez uma soma própria para chegar a esta conclusão a partir da média dos vencimentos dos vereadores por sessão e que está disposta no site da Câmara, mas que não tinha provas, o que poderá complicá-lo juridicamente.

Martins disse que o fez porque embora seja legal, "acha imoral" e como cidadão, levou a público. As negativas descartaram as possibilidades de investigação, mas como alertou Cilon, ele pode se complicar por conta de ter feito comentários pejorativos sem embasamento legal. Um relatório final deverá ser emitido nesta quarta-feira pelo relator, vereador Márllon Maciel (PP). A reunião foi acompanhada pela imprensa e transcorreu tranquilamente.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 13/12/2017 08h50
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: