Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Há um ano, o mundo chorava a tragédia da Chapecoense

Acidente aéreo vitimou grande parte do time da Chapecoense que disputaria a final da Copa Sul-Americana (foto Nelson Almeida/AFP)
Nesta madrugada de 29 de novembro, o Brasil e o mundo lembrarão de uma tragédia que enlutou o esporte e a imprensa mundial. Há um ano, por volta das 2h58 (horário de Brasília), a aeronave da LaMia que levava a delegação da Associação Chapecoense de Futebol e jornalistas para acompanhar a primeira partida da final da Copa Sul-Americana contra o Atlético Nacional de Medellín (Colômbia), chocou-se contra um cerro antes de pousar, em uma sucessão de erros do piloto e controladoria da torre de comando. 71 pessoas morreram na tragédia. O plantão da Globo na madrugada até hoje marca a memória de todos.


A Chapecoense havia conquistado a simpatia de todos por ter tido uma ascensão rápida e chegando a uma decisão internacional inédita na sua trajetória, ganhando a torcida de todo o País. A expectativa era otimista, mas por volta das 22 horas (horário da Colômbia), o pesadelo começou quando o piloto da aeronave Avro RJ45 relatou ter problemas elétricos. E a partir da tentativa de pousar, o avião se choca no cerro e a maior parte dos passageiros morre.

Dos mortos, vinte eram jornalistas brasileiros, nove eram dirigentes (incluindo o presidente do clube), dois eram convidados, quatorze eram da comissão técnica (incluindo o treinador e o médico da equipe), dezenove eram jogadores e sete eram tripulantes; dos seis ocupantes que sobreviveram, quatro eram passageiros e dois eram tripulantes. Da equipe, sobreviveram os jogadores Neto, Jackson Follmann e Alan Ruschel, mais o jornalista e radialista Rafael Henzel, que narraria a partida.

A tragédia vitimou dois conhecidos do esporte gabrielense: os diretores de futebol do clube, Emersson Didomenico (Chinho) e Eduardo Preuss (Cadu), passaram pelo antigo São Gabriel Futebol Clube em 2005 e 2006. Chinho era o preparador físico e Cadu, volante do São Gabriel na época, e na Chape, faziam parte do sucesso do clube no futebol. A tragédia motivou comoções, homenagens e marcou tristemente o final de 2016. A equipe foi declarada campeã Sul-Americana a pedido do Nacional, que ganhou admiradores em todo o mundo e foi solidária o tempo todo com a dor dos brasileiros.

A Chapecoense conseguiu se recuperar, fazendo uma boa campanha no Campeonato Brasileiro e se livrando do rebaixamento, onde se cogitou isentar o clube pela situação excepcional. Mas os heróis ainda sempre serão lembrados por ter levado o simpático time do oeste catarinense para tão longe e ser querido por todas as torcidas, mesmo de uma forma tão triste.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 28/11/2017 22h21 
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: