Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Policial militar é condenado a 12 anos de prisão por morte de sem-terra

12-05 Domingueira das Mães - CTG Querência Xucra

Penha de Troca da Patronagem - CTG Plácido de Castro - 25 de maio

Prestigie a reinauguração da Cremolatto em novo endereço no Calçadão de São Gabriel

More com conforto no Hotel Obino de São Gabriel. Saiba mais!

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça sua Pós-Graduação na Unopar

Jogue Limpo com a sua Cidade - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Sicredi Pampa Gaúcho - Juntos geramos desenvolvimento para todos

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Policial militar é condenado a 12 anos de prisão por morte de sem-terra

Sentença foi anunciada após mais de 12 horas de julgamento. Policial militar foi condenado por morte de Elton Brum, durante reintegração de posse em São Gabriel no ano de 2009 (foto Guilherme Santos/Sul 21)
A Justiça condenou, no começo da madrugada desta sexta-feira (22), o policial militar Alexandre Curto dos Santos a 12 anos de prisão em regime fechado, pela morte do sem-terra Elton Brum, 44 anos. O júri foi concluído por volta da meia-noite, na Comarca de Porto Alegre. Curto ainda foi condenado a perder o cargo na Brigada e ser preso imediatamente. O julgamento durou 12 horas.


O caso aconteceu em 2009, durante a operação de reintegração de posse da Estância do Céu, também conhecida como Fazenda Southall e hoje, Assentamento Conquista do Caiboaté e foi um dos mais rumorosos da época. O júri entendeu que, embora a defesa tenha alegado que o policial disparou com uma arma que tinha sido trocada e que ele não sabia dela conter munição letal, ao disparar contra Brum a uma curta distância, pelas costas, ele assumiu o risco e a intenção.

Na plateia, pouco antes da sentença, a viúva de Elton, Maria Odete, que acompanhou todo o julgamento, sem falar com a imprensa, declarou apenas: “Espero que seja feito justiça, porque o resto eu já entreguei nas mãos de Deus”. Curto foi encaminhado a prisão militar, enquanto aguarda os próximos passos do processo. Ainda cabe recurso à decisão. O caso foi trazido ao Foro de Porto Alegre a pedido da acusação, alegando questões de segurança e garantia de imparcialidade.

O julgamento ocorreu oito anos depois do caso, que ocorreu durante a reintegração de posse do local e gerou várias discussões nesta questão. O Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra (MST) emitiu nota celebrando a decisão.

Reportagem: Marcelo Ribeiro, com informações do portal Sul21 
Data: 22/09/2017 09h23
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: