Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Vem aí novo processo seletivo da Unopar, inscreva-se já

Vem aí mais um Ofertaço Grazziotin

09-11 Penha de Aniversário CTG Caiboaté - Chiquito e Bordoneio

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Oficina de Costura

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

São Gabriel perde Osorio Santana Figueiredo 

Osorio Santana Figueiredo faleceu na madrugada deste domingo aos 91 anos. A última homenagem recebida foi na Semana do Meio Ambiente deste ano (foto arquivo C7)
São Gabriel perde o maior baluarte da cultura e história, um apaixonado por sua terra e seu povo. Morreu na madrugada deste domingo (6), o historiador Osorio Santana Figueiredo, aos 91 anos, após agravamento de problemas de saúde. As despedidas estão acontecendo na Capela A da Funerária Santa Rita e o sepultamento está previsto para às 17 horas, no Cemitério local.



Nascido na localidade do Passo do Ivo em 7 de fevereiro de 1926, filho de João Baptista e Maria Zoraide Figueiredo, era considerado a "memória viva" da cidade, por registrar e divulgar os fatos históricos de São Gabriel e considerado uma personalidade respeitada e referência para muitas pessoas.

Foi um dos fundadores de várias entidades, como o CTG Caiboaté, PTG Batovi (o primeiro filiado ao Movimento Tradicionalista Gaúcho no Estado), Associação Cultural Alcides Maya (ACAM), Associação dos Militares da Reserva Remunerada (ASMIR) e dirigiu por muitos anos os Museus João Pedro Nunes e Gaúcho da FEB. Integrou várias entidades culturais, como a Academia Sul-Brasileira de Letras e a Academia de História Militar Terrestre do Brasil, entre tantas outras. Fazia parte também da Mesa Administrativa da Santa Casa de Caridade.

Foi casado com Juracy Lopes Figueiredo e teve os filhos Maria de Lourdes, Marilene e Beraldo. Nos seus livros, contava os fatos históricos e as histórias da Terra dos Marechais. Entre suas obras, pode se citar "Maneco Pereira, o homem que laçava com o pé"; "São Gabriel desde o princípio" e "História de São Gabriel"; "Uma Santa Casa feita de amor"; "Plácido de Castro, o colosso do Acre"; entre tantos outros, e o seu último foi  “Azevedo Sodré na história”. Ele estava preparando o que seria sua última obra, um livro sobre os vultos históricos de São Gabriel.

Em 2007, ele foi o patrono da Feira do Livro de São Gabriel. A última homenagem recebida foi na Semana do Meio Ambiente da ArtPet ambiental, de Edison Noble. A cultura de São Gabriel fica mais pobre a partir deste domingo. À família, nosssos sentimentos. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 06/08/2017 11h47 
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: