Caderno7 - O site de notícias da Metade Sul: Caso Kiss: vereador Márllon afirma que processo contra pais é uma indecência

Prestigie o Jantar De Mãos Dadas, da Despertar e Voluntárias do Lar São João

Vem aí a Festa Junina da Pró-Down em São Gabriel. Participe!

	
Vem aí a semana do aniversário da Grazziotin. Confira as promoções

Inscreva-se para o Vestibular de Inverno da Urcamp - aproveite as oportunidades

Penha de Troca da Patronagem - CTG Plácido de Castro - 25 de maio

Prestigie a reinauguração da Cremolatto em novo endereço no Calçadão de São Gabriel

More com conforto no Hotel Obino de São Gabriel. Saiba mais!

Conheça a Use Odontologia, agora em São Gabriel

Faça sua Pós-Graduação na Unopar

Jogue Limpo com a sua Cidade - Prefeitura de São Gabriel

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Sicredi Pampa Gaúcho - Juntos geramos desenvolvimento para todos

Dra. Namiriane Müller Leal - Cirurgiã-dentista

Dra. Marcele Camponogara - Odontologia e Estética

Participe das aulas de musicalização com as Tolerantes

Colégio Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

Caso Kiss: vereador Márllon afirma que processo contra pais é uma indecência

Parlamentar, que perdeu dois amigos na tragédia, afirmou que “chegamos ao fundo do poço” (foto divulgação)
Após enfrentarem a dor da perda de filhos na maior tragédia do Rio Grande do Sul, Sérgio Silva, Flávio Silva, Paulo Carvalho e Irá Beuren estão sendo processados por calúnia e difamação pelos promotores Ricardo Lozza, Joel Dutra e Maurício Trevisan, além do promotor aposentado João Marcos Adede y Castro e o filho dele, o advogado Ricardo Luís Schultz Adede y Castro. Pelo andamento das ações, apenas o processo contra Irá não deve ser concluído este ano. Os promotores alegam que foram ofendidos pelos pais que afixaram cartazes afirmando que o Ministério Público sabia das irregularidades na boate, onde um incêndio matou 242 pessoas – sendo 9 adolescentes de São Gabriel.




Indignado, o vereador Márllon Maciel (PP) subiu à tribuna da Câmara Municipal e disparou críticas aos processos impetrados contra os pais. “Chegamos ao fundo do poço. Os pais serão julgados antes daqueles que assassinaram 242 pessoas. Esse é o Brasil que vivemos”, disparou. Na sessão de quinta-feira (15), Márllon apresentou Moção de Solidariedade aos pais que, em sendo condenados, poderão ir parar atrás das grades. “Lamentavelmente, quatro anos depois a boate Kiss ainda continua fazendo vítimas”, reafirmou o vereador. 

Reportagem: Assessoria Parlamentar 
Data: 19/06/2017 07h32 
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: