Vem para o Natal da Tottal Casa & Conforto

Vem aí o Reveillon Gaudério no CTG Querência Xucra, com animação de Os Serranos, 29 de dezembro

Invista no primeiro shopping center de São Gabriel

Confira os novos cursos na Unopar São Gabriel

Colabore para uma cidade limpa - Jogue Limpo com a sua Cidade

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Anúncio Sicredi novo

Rádio RBC FM - A emissora da comunidade

Chega de pagar caro na sua conta de luz. Ecotec Energy

Vem aí a Festa de Natal do EC Real, em 19 de dezembro

Familiares pedem justiça por Liria Gouveia

Amigos e familiares fizeram protesto para pedir justiça no caso da morte da jovem Liria Gouveia, que ocorreu em fevereiro após ser atropelada por um motorista embriagado
Em um ato que reuniu mais de 100 pessoas na noite de sábado, familiares pediram justiça para o caso de Liria Gouveia Siqueira, vítima de um acidente de trânsito em fevereiro deste ano no cruzamento das ruas João Manoel e Barão de São Gabriel. Uma caminhada reproduziu o trajeto percorrido pela jovem, que estava em um mototáxi que foi atingido por um condutor de um Fiat Palio que estaria embriagado, na manhã de 5 de fevereiro. O ato ocorreu na noite deste sábado, 10 de dezembro.



Ao chegar ao local do acidente, familiares não contiveram a emoção e expressaram o sentimento da ausência da jovem 
Entre as pessoas que participaram, familiares de São Gabriel e Bagé, amigos, colegas de trabalho e carnavalescos que trouxeram percussões e homenagearam a jovem. O protesto percorreu a Rua João Manoel até a esquina dos Bombeiros, onde a mototáxi que ela vinha foi atingida pelo veículo e ela veio a ser jogada contra a parede de um prédio. Seu pai, Afonso Siqueira, ao chegar no local, se emocionou e pediu justiça, sendo amparado por familiares. "Foi aqui, foi aqui que minha filha foi jogada", gritou.



Mais de cem pessoas participaram da caminhada, pedindo justiça no caso e evocando saudades da jovem
O tio da vítima, Padre Luciano de Oliveira, que organizou a caminhada, salientou por várias vezes a falta de justiça no caso e em tantos outros. Ao final, orações foram feitas e balões soltos no céu. O acidente ocorreu no final da madrugada de 5 de fevereiro, quando ela se deslocava para o trabalho e no cruzamento referido anteriormente, a moto teve a preferencial cortada por um automóvel e ela acabou sendo jogada contra a parede de um prédio na esquina, sendo que ela veio a bater a cabeça.

Após cinco dias de luta pela vida, ela não resistiu aos ferimentos e faleceu. O motorista, que é militar do Exército Brasileiro, estava embriagado, segundo a Polícia na época. Segundo os familiares, a Justiça ainda não marcou as audiências para dar andamento ao caso. 

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 11/12/2016 12h06
Contato: (55) 3232-3766 / 96045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: