10-11 Penha de Aniversário CTG Caiboaté - Chiquito e Bordoneio

Festa Night Out - 10 de novembro

Banner Caderno7 - Prêmio Press 2017

Saúde Plena é saúde para todos

Clique aqui para se inscrever no Vestibular Urcamp 2018

Coluna do Alexandre Cruz

Alexandre Cruz
Colunista do blog

Perdão de Tony Blair
Tony Blair pediu perdão, mas não disse a verdade. A invasão do Iraque não foi fruto de um erro, e sim uma decisão de ocupar um espaço estratégico e de grande valor petrolífero  para controlar a região e começar a reescrever a história.  A existência de armas de destruição massiva não foi uma informação equivocada, foi uma informação falsa, uma justificativa inventada para explicar uma intervenção decidida de antemão.  Foi uma decisão política criminal e ademais, um fracasso de dimensões colossais. Centenas, milhares de mortos e desaparecidos, um Estado destruído e como herança o auge do yihadismo, um impulso de valor incalculável ao chamado Estado islâmico,  a grande ameaça do nosso tempo.


Tony Blair pediu perdão agora, doze anos depois, em razão que está a ponto de finalizar a investigação que irá esclarecer tudo, enquanto o terceiro do trio dos Azores, o puxa saco do Bush, não somente não pede perdão por ter copatrocinado aquele atropelo, como se sente orgulhoso. Nunca esteve a par de que sua relação com Bush não parou de fazer ridículo. O terceiro, quem não sabe e o que faz ridículo é o José Maria Aznar, ex-Primeiro Ministro da Espanha.



Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: