Não feche negócio ainda! Vem aí novidade para sua casa própria!

Saúde Plena é saúde para todos

Conheça a página da Cauzzo São Gabriel no Facebook

Clique aqui para se inscrever no Vestibular Urcamp 2018

Tarso Teixeira: Crise dos EUA com a carne brasileira preocupa

Tarso afirma que fechamento do mercado norte-americano para a carne brasileira preocupa o agronegócio (foto arquivo C7)
Apesar de não representar mais do que 4% de toda a exportação de carne brasileira “in natura”, o fechamento do mercado norte-americano representa uma preocupação legítima para as comunidades no entorno dos frigoríficos que sofreram esta sanção da Secretaria de Agricultura dos EUA, entre eles São Gabriel e região. A observação é do presidente do Sindicato Rural de São Gabriel e vice-presidente da Farsul, Tarso Teixeira, que não esconde a preocupação com que esta notícia afete o agronegócio da região e a própria renda do município como um todo.



Para Teixeira, a perda deste importante mercado pelo Frigorífico Marfrig de São Gabriel – o único do Rio Grande do Sul com habilitação para exportar para os Estados Unidos – pode representar um prejuízo a longo prazo, se a medida não for revertida a tempo de que outros países, que tem o mercado americano como balizador, sigam o mesmo caminho. “Já passamos pelo calvário da Operação Carne Fraca, e esta nova sanção, sem dúvida, é movida pelos interesses dos nossos competidores internacionais, especialmente os próprios pecuaristas americanos. De qualquer modo, é importante que o governo federal consiga resultados na sua ação contra esta medida, sob pena de que mercados realmente rentáveis fechem as portas e diminuam a exportação num momento em que o agronegócio sustenta a balança comercial do país”, assinalou.

O produtor ressalta que este prejuízo vem se somar ao já existente em relação ao Frigorífico Foresta, frigorífico de carne eqüina que exporta praticamente toda sua produção para a Bélgica, e está afetado pelas restrições da União Europeia após a Operação Carne Fraca, da Polícia Federal. O Foresta, ao contrário do Marfrig, não conta com a opção de direcionar a sua produção para o mercado interno. “São indústrias que já vinham abatendo abaixo do ponto de equilíbrio, e uma nova retração no mercado é sempre preocupante. É preciso estar atento a estes movimentos do mercado, para evitar que haja uma crise de renda e de emprego no setor”, declara o presidente.

Reportagem: Cláudio Moreira/Sindicato Rural 
Data: 29/06/2017 17h34
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: