Baile de Aniversário São Gabriel - CTG Tarumã

XXII Rodeio Internacional do Mercosul

TCE rejeita contas do ano de 2014 de Roque Montagner

Contas de 2014 da gestão Roque Montagner foram julgadas irregulares pelo TCE (foto arquivo C7)
O Tribunal de Contas do Estado (TCE) julgou irregulares as contas de gestão referentes ao ano de 2014 da administração de Roque Montagner e o condenou ao pagamento de multa de R$ 1.500,00 (mil e quinhentos reais) por irregularidades ocorridas na administração. A decisão foi publicada no Diário Eletrônico do Tribunal na última semana, em 3 de fevereiro.



O relator das contas, Conselheiro Alexandre Postal, recomendou a rejeição das contas de Roque Montagner referentes à 2014 em virtude de várias irregularidades, entre elas:

* Terceirização irregular de mão de obra referente aos serviços de de fiscalização escolar, monitoria de creche, agente de ação social, auxiliar de saúde bucal e atendente de farmácia, atividades-fim do Executivo Municipal cujos cargos deveriam ser providos por servidores efetivos, contratados mediante concurso público;
* Servidores ocupantes de cargos em comissão no exercício de atividades burocráticas, técnicas ou operacionais, de caráter efetivo e permanente, cujo provimento deveria ser mediante concurso público;
* Designação de servidora estatutária, parente em 3º grau (sobrinha) do Prefeito Municipal, para exercer a Função Gratificada – FG7 de Coordenadora de Planejamento Educacional;
* Pagamento cumulativo de gratificação especial, criada mediante a Lei Municipal nº 3.531/2013, e função gratificada incorporada a servidores, o que contraria o disposto no art. 37, inciso XIV, da Constituição da República e art. 64, inciso II, da Lei Municipal nº 1.840/1991, com redação dada pela Lei Municipal nº 2.427/2000 , que trata do Regime Jurídico dos Servidores Públicos de São Gabriel. Violação aos princípios constitucionais da moralidade, impessoalidade, razoabilidade e economicidade;
* Doação da área em que se instalaria uma empresa apicultora e que vendeu a área com a anuência da Prefeitura. Isso descumpriu a Lei Municipal nº 3.082/2008, que determinava a reversão da doação ao Poder Executivo de São Gabriel, no caso de descumprimento da condição resolutiva;
* Constatada a incorreta utilização dos recursos vinculados, o que resultou em diferenças entre a movimentação financeira do período e o saldo existente em bancos. A amostragem demonstrou que as diferenças abrangem contas de recursos destinados à saúde e à educação, o que pode impactar nas certidões emitidas por esta Corte de Contas relativas ao cumprimento dos índices constitucionais da saúde e educação;
* Deficiências na contabilização da dívida ativa;
* Atraso nos repasses, inadimplência e parcelamento irregular com o IPRESG;


O parecer ainda recomenda ao atual Administrador para que corrija e evite a reincidência dos apontes criticados nos autos, bem como verificação, em futura auditoria, das medidas implementadas nesse sentido e também notifica  a decisão ao Procurador-Geral de Justiça e ao Procurador Regional Eleitoral, consoante o disposto no artigo 140 do Diploma Regimental. Participaram do julgamento os Conselheiros Postal, Estilac Xavier e, Substituto, Alexandre Mariotti, em 1º de dezembro e publicada no dia 3 de fevereiro no Diário Eletrônico do Tribunal. O processo está registrado no número 002849-0200/14-1.

Reportagem: Marcelo Ribeiro 
Data: 09/02/2017 09h39 
Contato: (55) 3232-3766 / 996045197 
E-mail: blogcadernosete@gmail.com 
jornalismo@caderno7.com
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: