Caderno7 na Expointer - banner redes sociais

03-09 Jantar-baile Os Monarcas - CTG Querência Xucra

Papo Reto no Caderno7

João Pedro Lemos
Colunista do blog

Música: Tendências de um pop muito dinâmico
As mudanças no cenário musical do final do ano para cá foram incríveis e intensas, deixando de lado algumas mudanças radicais como a saída de Camila Cabello do Fifth Harmony, chegamos a um ponto importante, a transformação das tendências. Quando J. Balvin gravou com Anitta a música “Ginza”, tinha um objetivo bem claro, divulgar o seu reggaeton no Brasil e retomar um estilo que havia deixado sua passagem por aqui e de forma bem significativa.



E vejam o que aconteceu, daí para frente todos os novos sucessos pop do país acabaram entrando na onda do estilo, Cláudia Leite com “Taquitá”, Nego do Boréu com “Você Partiu meu coração”, MC Tati Zaqui com “Rebelde e Abusada”, “Loka” de Simoni e Simária,  comprovam que o colombiano, mais do que relembrar que o Reggaeton é um ritmo bem gostoso, ainda faz muito sucesso entre os brasileiros.

Pop tem sido dinâmico no Brasil. Resultado disso são os sucessos nas paradas e rádios do país
No momento em que o sertanejo universitário se torna pop, o funk ostentação da mesma forma e acaba virando um tipo de reggaeton, e continua fazendo sucesso, mostra que os brasileiros amadureceram a ponto de não mais se prenderem a padrões, sim ao que é bom. “Sí ou No” de Anitta com Malluma, “Chantage” de Shakira também com o colombiano só reafirmam o que estou dizendo, o pop brasileiro e internacional vive um novo momento, uma nova linguagem, e mais do que nunca o que afirmava anteriormente, não mais presos a conceitos. Uma das provas disso é a própria Joelma que ao gravar com Ivete Sangalo “Amor Novo” voltou à mídia bombando, com um estilo bem diferente da música paraense, apresentando um estilo, que poderíamos simplificar dizendo, “universal” pois chega com um toquezinho de atualidade, isso é, reggaeton.


Assim poderíamos caracterizar esse momento da música brasileira não mais com um estilo estático, mas dinâmico, e mais do que estar presa a conceitos a música boa é pop, misturada, embalada, gostosa de ouvir, já dizíamos nos anos 80, “... o papa é pop, o pop não poupa ninguém”. Simbora que venha muita música boa pela frente. Existem muitos lançamentos previstos.
Comentário(s)
0 Comentário(s)

Nenhum comentário: